https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Buraco Negro

 
Jaz o poeta no caixão vazio
(foi morto por Caim sem ser Abel)
e sente à sua volta um corrupio
de vultos a carpir num aranzel

e a dizer os seus versos que não leram
(e até os poemas que não fez)
e ouve mesmo alguns que o tresleram
citá-lo entre aspas desta vez

Jaz o poeta no buraco negro
da memória varrida pelo vento
e caído no fundo desse pego
no meio do lençol do esquecimento

o que sobra por fim desata o nó
da espessura do tempo: e fica em pó


© Domingos da Mota

do livro em preparação, Matéria Negra, e publicado também no blogue http://morcegoseolhimancos.blogspot.com/


«Entre a taça e o lábio muitas coisas acontecem.»

Páladas de Alexandria

 
Autor
fogomaduro
 
Texto
Data
Leituras
1717
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
38 pontos
22
0
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Julio Saraiva
Publicado: 05/09/2009 16:46  Atualizado: 05/09/2009 16:46
Colaborador
Usuário desde: 13/10/2007
Localidade: São Paulo- Brasil
Mensagens: 4206
 Re: Buraco Negrop/Domingos da Mota, meu amigo, o fogomaduro
da mota,

este soneto é dos seus poemas talvez o meu favorito. já o conhecia, mas não canso de me encantar toda vez que o leio. a leitura parece sempre a primeira.

abraço.

j.


Enviado por Tópico
cleo
Publicado: 05/09/2009 16:51  Atualizado: 05/09/2009 16:51
Luso de Ouro
Usuário desde: 02/03/2007
Localidade: Queluz
Mensagens: 3857
 Re: Buraco Negro
Esse buraco negro existe mesmo e não é só para o poeta.

A diferença é que o poeta poderá ser sempre lembrado e continuará vivo através das suas obras enquanto que um qualquer outro mortal comum, sem ter marco algum que lhe valha, se perderá no rasto da memória...

Quanto ao poema, já li, reli e ainda não me fico por aqui


Enviado por Tópico
GE3
Publicado: 05/09/2009 17:16  Atualizado: 05/09/2009 17:16
Da casa!
Usuário desde: 22/09/2008
Localidade: Moçambique
Mensagens: 353
 Re: Buraco Negro
se me é permitido, a homenagem a seguir, escrita, depois de "favoritar" este poema.

um abraço de parabés


Enviado por Tópico
Amora
Publicado: 05/09/2009 17:46  Atualizado: 05/09/2009 17:46
Colaborador
Usuário desde: 08/02/2008
Localidade: Brasil
Mensagens: 4763
 Re: Buraco Negro
Só tenho que aplaudir, impecável
o momento de ler-te, Domingos.
Gostei muito que tenhas retornado.
Um beijo


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 05/09/2009 18:44  Atualizado: 05/09/2009 18:44
 Re: Buraco Negro
Excelente poema.
Sempre um prazer ler os seus textos Domingos.


Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 05/09/2009 19:08  Atualizado: 05/09/2009 19:08
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6744
 Re: Buraco Negro
O buraco negro pode engolir todo o universo, mas não cabe nele a inspiração do poeta.Aplausos!
Bjin, Betha.




Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 05/09/2009 19:48  Atualizado: 05/09/2009 19:48
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11191
 Re: Buraco Negro
Domingos,
Um poema majestosos, escrito pela mão de um mestre.
Beijo
Nanda


Enviado por Tópico
Margarete
Publicado: 05/09/2009 20:51  Atualizado: 05/09/2009 20:51
Colaborador
Usuário desde: 10/02/2007
Localidade: braga.
Mensagens: 1199
 Buraco Negro ao domingos da mota.
reencontrar a minha dor na sua escrita é, sem sombra de dúvida, um dos momentos mais surreais que me foram revelados.
obrigada pela partilha, rejubilo em dor.


Enviado por Tópico
arfemo
Publicado: 05/09/2009 22:23  Atualizado: 05/09/2009 22:23
Colaborador
Usuário desde: 19/04/2009
Localidade:
Mensagens: 4812
 Re: Buraco Negro
Companheiro fogomaduro/Domingos da Mota este é um poema sobre a condição e destino do poeta, subtil e muito bem escrito e pensado que só podemos agradecer ao seu talento.

Abraço fraterno
arfemo


Enviado por Tópico
Caopoeta
Publicado: 06/09/2009 16:25  Atualizado: 06/09/2009 16:25
Colaborador
Usuário desde: 12/07/2007
Localidade:
Mensagens: 2027
 Re: Buraco Negro
ola fogomaduro,
foi este poema que deixei na página de Ge3 com a sua merecida homenagem,ele tambem a merece..pois tambem o é exelente.

há neste poema introspectivo algo que me toca,que me faz vibrar os sentidos..talvez por saber tal como tu o descreves tao bem :

"o que sobra por fim desata o nó
da espessura do tempo: e fica em pó"


abraço amigo Domingos da Mota.