https://www.poetris.com/

 
(1) 2 3 4 ... 9 »
Offline
crstopa
[Desastre: Um blues no entardecer]
Duas laranjas murchas me aguardam jantar só. Fim de história. Pronto —, agora, às laranjas antes ...
Enviado por crstopa
em 30/12/2018 17:54:54
Offline
crstopa
[Rituais]
[Rituais] — as frases habituais de certas situações; o comportamento em casamentos, velórios etc...
Enviado por crstopa
em 30/12/2018 17:52:26
Offline
crstopa
[Uma é mil, dois mil, milhares de palavras]
Cada palavra é só uma certa brotação de uma erva daninha em meu campo verde de incompreensíveis e...
Enviado por crstopa
em 30/12/2018 17:50:17
Offline
crstopa
[É tempo da secura do silêncio]
Sim, são afiadas as lâminas geladas do silêncio que ora caem sobre nós. Quem as desafiar sofrerá ...
Enviado por crstopa
em 20/11/2018 19:09:18
Offline
crstopa
[O subjacente agir das coisas]
É da ordem do Sublime — eu amo [e temo!] a quietude aparente das coisas que estão a trabalhar, n...
Enviado por crstopa
em 20/11/2018 19:06:52
Offline
crstopa
[01h05 - O tédio das coisas]
Uma copa fria com piso de vermelhão; uma cantoneira de madeira rústica, pintada de azul claro; so...
Enviado por crstopa
em 03/11/2018 12:22:35
Offline
crstopa
[09h34 - Chora, Portugal, chora!]
Aqui em Pindorama, o futuro do subjuntivo derruba tanta gente... Se eu "propor, se eu "...
Enviado por crstopa
em 03/11/2018 12:17:16
Offline
crstopa
[12h25 - A esperança vem do smartphone, não da TV!]
Nada se compara à dura inclemência de um degrau de cimento ao sol, defronte à mesquinhez de uma c...
Enviado por crstopa
em 03/11/2018 12:10:08
Offline
crstopa
[17h54 - Concerto da vida sem esperas]
A tarde e eu... a pensar na minha finitude, na minha vida de escassos prazeres cumpridos — ... ...
Enviado por crstopa
em 20/09/2018 19:17:59
Offline
crstopa
[11h10 - A luz tragada no abismo — o retorno no escuro]
Que já esteja densamente escuro quando eu retornar à minha terra. Eu nunca tenho mesmo o que faze...
Enviado por crstopa
em 20/09/2018 19:13:54
Offline
crstopa
[23h35 - Se eu te vi... vi ninguém!]
Tem dias assim — nada rende, nada aponta rumos. Desculpa-me, sim? Mas hoje, se eu te vi passar, ...
Enviado por crstopa
em 20/09/2018 19:10:42
Offline
crstopa
[A cura da espera]
Mais um dia e o inesperado aconteceu: a noite veio, pegou-se em mim. Faz tempo que eu caí nesta v...
Enviado por crstopa
em 18/08/2018 02:04:52
Offline
crstopa
[17h05 – Da mesa do Café, as ondas de memórias]
[Da mesa do Café, as ondas de memórias] Da mesa do Café, contemplo as pessoas a passar por mim.....
Enviado por crstopa
em 17/08/2018 18:40:25
Offline
crstopa
[A janela da ilusão]
Nada — eu não quero nada, todo querer é sem nexo, pois tudo se perde enquanto a vida passa pela ...
Enviado por crstopa
em 26/05/2014 04:10:45
Offline
crstopa
[Uma Esteira no Areal]
A potência instituidora do verbo haver jamais se dilui: nada “há” a expressar, nada há... além d...
Enviado por crstopa
em 12/05/2014 03:20:42
Offline
crstopa
[Névoa no olhar]
Nem a cachaça desta o nó: quase incontrolável, esse choro sem causa [óbvia] me reafirma que &q...
Enviado por crstopa
em 09/05/2014 01:24:58
Offline
crstopa
[Vômito de urubu]
Desde os tempos em que eu contemplava os enterros quando passavam pela Rua Jaime Gomes, eu sempre...
Enviado por crstopa
em 05/05/2014 02:57:10
Offline
crstopa
[A flor na correnteza]
Precisava que nascessem flores para mim, flores amarelas, sim, todas amarelas; uma na madrugada, ...
Enviado por crstopa
em 29/04/2014 00:20:23
Offline
crstopa
[Tramar a última vez]
Jamais sei tramar a última vez... jamais! Por que hei de ser assim, cuidar que volto, quando bem ...
Enviado por crstopa
em 29/04/2014 00:17:56
Offline
crstopa
[Certos olhos...]
Sim, certos olhos me guardam silenciosamente dos erros armados pelos meus passos. São os olhos mi...
Enviado por crstopa
em 29/04/2014 00:13:14
(1) 2 3 4 ... 9 »