https://www.poetris.com/

 
(1) 2 3 4 5 »
Offline
evelina
Convergências
Sei que é tangível a cumplicidade da palavra. Clamo-a agora mais do que nunca para que nad...
Enviado por evelina
em 11/04/2021 13:57:30
Offline
evelina
No meu olhar de chuva
Na passagem do poema, junto-me às janelas abertas, perto da harmonia das árvores que, lá for...
Enviado por evelina
em 10/04/2021 16:06:12
Offline
evelina
Intima.mente
Dentro de mim um caminho entre as árvores e um aroma de alfazema. Nas mãos um tempo de esp...
Enviado por evelina
em 05/04/2021 16:48:06
Offline
evelina
Num fio de palavras [des]convocadas
Levamos o tempo fechado no olhar como se gritássemos sombras silenciosas paradas no esqueci...
Enviado por evelina
em 03/04/2021 16:48:15
Offline
evelina
Uma herança de sol
Esquece-se de existir e árvore vagarosa recolhe dorida os equívocos que das tempestades advê...
Enviado por evelina
em 01/04/2021 14:49:11
Offline
evelina
A mecânica das coisas
Saiu igual como num dia de sempre noite de insónia os olhos em nada a vida sem remédio apag...
Enviado por evelina
em 21/03/2021 15:34:51
Offline
evelina
Reencontro
Fala-me agora de todas as vezes em que habitávamos o pôr do sol e só nós percebíamos o incêndio...
Enviado por evelina
em 19/03/2021 15:33:27
Offline
evelina
A geografia do vento
Escrevo. As tuas palavras descem em silêncio refúgio navegável a planar como aves que não morre...
Enviado por evelina
em 17/03/2021 14:16:46
Offline
evelina
Pássaro de todas as estações
O som do desterro cala-me a voz e o silêncio entranhado nos versos afia as arestas do pensame...
Enviado por evelina
em 16/03/2021 10:06:23
Offline
evelina
Março
Chegamos a um tempo curto que se alonga em sentido inverso. Tudo o que acontece parece ter já a...
Enviado por evelina
em 13/03/2021 15:49:52
Offline
evelina
Já não existem janelas
A minha rua chove de solidão. Os rostos partiram lívidos e levaram com eles os portões aberto...
Enviado por evelina
em 11/03/2021 11:31:53
Offline
evelina
De ti sei agora muito pouco
De ti sei agora muito pouco. Sei a tarde mansa a rua ferida de ausência soluçada e a minha ment...
Enviado por evelina
em 09/03/2021 16:26:21
Offline
evelina
Debruçamos a casa sobre o rio
Debruçamos a casa sobre o rio e dói o ar a cada inspiração quando ao fundo todas as coisas ...
Enviado por evelina
em 07/03/2021 20:31:31
Offline
evelina
O teu nome
Como um pássaro pousado ao acaso sobre os soluços das mãos. Escrevo o que sobra do que ficou p...
Enviado por evelina
em 22/08/2020 14:32:18
Offline
evelina
... e o cais espera
Os pássaros cantam a terra fresca gritam na alma os tesouros de um raio de sol estendido no temp...
Enviado por evelina
em 16/08/2020 14:19:44
Offline
evelina
Quando a voz é um sopro
Afinal nada há a retomar. Tudo ficou envolto em pretéritos agonizando numa folha de poentes. ...
Enviado por evelina
em 15/08/2020 12:14:12
Offline
evelina
Texturas
Vejo a tarde nas ruas lavadas do silêncio a distância imutável das searas a embalarem o tempo....
Enviado por evelina
em 14/08/2020 10:57:02
Offline
evelina
De neve e silêncio
Caminhavas para a luz indefinível quando o arvoredo já era de neve e silêncio. Ressoavam os gesto...
Enviado por evelina
em 13/08/2020 09:28:24
Offline
evelina
Como se fogo breve
 Como se fogo breve um poente sobre a água ou o brilho leve da palavra arde o silêncio...
Enviado por evelina
em 11/08/2020 19:51:13
Offline
evelina
Estiagem
Lembrar-me-ei de ti como um azul vagabundo como a súbita aragem que transitória passa sobre a es...
Enviado por evelina
em 10/08/2020 20:24:09
(1) 2 3 4 5 »