https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de sendoluzmaior

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de sendoluzmaior

Não permitirei de forma alguma qualquer tipo de perseguição a meus textos e pessoa

 
Não permitirei de forma alguma perseguição a meus textos e pessoa, por seu conteúdo filosófico ou que expresse meu livre pensamento.
Assim posto, lembro a todos que a web não é uma terra sem lei.
Mesmo em auto gestão há regras que todos temos de seguir.
Obrigado
 
Não permitirei de forma alguma qualquer tipo de perseguição a meus textos e pessoa

O zé capeta

 
O zé capeta
 
Bebia o sangue fresco de suas vítimas
Morei dois anos na região da serra do cipó em Minas Gerais. Foi ai que conheci o herói da nossa história, o lendário Zé capeta, cuja fama o precedia. Naquela época estava implantando uma fazenda na região e carecia de muita mão de obra, como me haviam garantido que o tal Zé capeta era um ótimo operador de máquinas, o contratei. Minha teoria na época era a de que, "quem não arrisca não petisca".
De fato o Zé capeta era muito bom na sua profissão, sempre se deslocava com sua moto velha, caindo os pedaços e amarrada com arame, como representante da raça humana, bem que fazia justiça ao nome. Fora de seu horário de serviço e em finais de semana, passava a vida embriagando-se nos "botecos de copos sujos" da região, ocasião em que incorporava o "demo" e literalmente atacava as galinhas da região com as quais copulava.
Contam que após o ato, bebia o sangue fresco de suas vítimas e lhes comia a carne crua junto com as "tripas". Quem via o Zé capeta em serviço, assim como eu, chegava mesmo a duvidar da autenticidade de sua fama.
Uma história baseada em fatos reais, porém qualquer semelhança é mera coincidência, pois são milhares de "zes" pelo mundo, protagonizando suas histórias.
 
O zé capeta

Que Deus tenha piedade de sua alma

 
Que Deus tenha piedade de sua alma
 
O "prepotente" planta hoje as sementes dos frutos que colherá no futuro.
Esta é uma lei inexorável.

Que Deus tenha piedade de sua alma.
 
Que Deus tenha piedade de sua alma

Mistério no além, fatos reais

 
Certa ocasião, onde quer que eu fosse encontrava sempre com duas meninas gêmeas, loiras de olhos azuis, ambas aparentando terem na faixa de sete anos de idade. Poderia ate ser uma estranha coincidência caso não fossem visões. Encontrava-me com elas dormindo, acordado, no trabalho, nos meus deslocamentos, assistindo TV, na praia, no restaurante, onde fosse lá estavam. De um modo geral mantenho segredo sobre estas coisas até que tenham um desfecho. Minha última visão delas ocorreu doze meses após terem iniciado, já tinha me acostumado com elas. " Estava em um local da terra, que se ligava ao "além" por uma ponte bem rústica. Do meu lado avistava um jardim muito lindo, um tapete de grama bem verde, um céu de muita luz e azul sem igual. Haviam muitos pequenos pássaros por mim desconhecidos e muitas flores. Brincando divertidamente ali estavam as gêmeas. Tentei atravessar a ponte, mas ela balançava muito e em baixo era um tremendo abismo. Desisti de atravessar. Para chamar a atenção das meninas comecei a cantar, dançar e por fim gritei: Meninas! Uma delas me viu e veio na minha direção, a ponte não balançou. No meio ela parou e esperou por sua irmã, mas ela não quis se arriscar na ponte e voltou a brincar, desta vez sozinha. Decidida a me encontrar sem a irmã ela atravessou a ponte vindo em minha direção. Fim das visões nunca mais as vi. Passado um tempo resolvi ter um filha, apesar de meus filhos já estarem na faixa dos 20. Tinha a certeza que minha esposa daria a luz à uma menina loira. Ela ficou grávida e nasceu uma menina morena. Mantive silêncio e toquei a vida. Cinco anos depois minha filha mais velha, sem que eu tivesse ao menos sonhado em falar com ela sobre as gêmeas loiras, da a luz uma menina também morena clara. Contudo, no interno dela ela havia alimentado uma certeza que a menina ia nascer loira de olhos azuis. Naquele momento tanto ela guardava o segredo dela, quanto eu. O tempo passa, as meninas crescem com diferença de cinco anos entre elas. O cabelo da mais nova que hoje tem 7 anos é quase loiro natural. Quando minha filha mais nova fez 13 anos, saí com ela e minha neta para uma caminhada. No caminho minha filha diz ter tido um sonho muito real. "Pai, sonhei com você e a Laís esta noite foi o sonho mais real que já tive, lembro de todos os detalhes. Laís era minha irmã gêmea, brincávamos em um jardim lindíssimo, nunca vi um jardim igual. De repente ouço você gritando. Quando olho, você esta do outro lado de uma ponte, que atravessava um grande abismo. Vou na sua direção, mas lembro da Laís que vinha logo atrás de mim. Ela para, não quer atravessar, acho que teve medo e voltou. Éramos loiras de olhos azuis, contudo, a medida que eu atravessava a ponte indo na sua direção, tudo em mim ia mudando, a cor da pele, cabelo, olhos. Quando cheguei a você, não era mais a loira". Neste momento minha neta interrompeu e disse: "Não te acompanhei porque esperei meu pai vir me buscar". Ao fim da caminhada quando cheguei em casa entreguei para elas minhas anotações secretas sobre as gêmeas. Foi um dos momentos mais lindos da nossa vida. Há entre nós três um elo, uma cumplicidade que vai muito além desta vida. Os fatos que envolvem o nascimento desta minha filha mais nova, tiveram um aspecto inédito da história da minha cidade, do meu estado e do meu país. Tal aspecto inédito ganhou as páginas dos jornais e foi motivo de uma matéria do "Fantástico da rede globo" exibido para todo o país. Quando Chico Xavier psicografava um fato inédito ocorreu. Uma de suas psicografias foi aceita como prova em um tribunal de justiça. O fato inédito será revelado no meu próximo livro, Mistério no Além, já que na época nos negamos a dar entrevista, agora que tenho permissão delas posso contar.
 
Mistério no além, fatos reais

Casar é tão bom!

 
Casar é tão bom ...
Casar é tão bom, mas tão bom, que casarei novamente com a mesma esposa este mês perante a lei dos homens e de Deus. Um amor de trinta e sete anos, que soube prosperar e crescer ao longo do tempo. Um amor que não se abateu perante os intempéries da vida. Um amor que sobreviveu onde tantos outros sucumbiram. Um amor assim, edificante, calmo, sereno e iluminado. Um amor assim, libertador. Agradeço a sua existência todos os dias de minha vida. Você faz com que eu me esforce diariamente para ser melhor do que em verdade sou. Deus olhou para ti e disse: Tu serás a luz a iluminar a vida daquele ser.
 
Casar é tão bom!

A verdade confunde uma mente viciada

 
A verdade confunde uma mente viciada
 
Em defesa do diabo arrisco um verso
Nele não há santidade
Muito menos o inverso
Sim é verdade, nele não há maldade

Distorções e muita confusão
Ao se explicar uma realidade
De Deus recebeu a missão
Criar a humanidade

Carta branca do alto tinha
Uma aposta grande ele fez
Acelerar a evolução queria
Negatividade foi a linha

Grandes guerras eclodiram
Ao mal o homem sucumbiu
Assim seus sonhos ruíram
A tragédia um Arcanjo viu

De pronto o mesmo intervém
Aprisiona criador e criatura
Corrigir ambos Deus vem
Criando caminhos de soltura

Homem não vê e se ilude
Lendas são criadas
A verdade confunde
Uma mente viciada

Em verdade, lá em Órion, depois da explosão da sétima estrela surge o Arcanjo Miguel com sua legião e aprisiona a todos. Assim humanos e reptilianos passam a conviver lado a lado, e encarnando sempre dentro do corpo do inimigo. Desta forma nasce a lenda de Miguel atirando o diabo para a terra. Neste contexto, o diabo são todos os habitantes da terra.

Deus em Jesus Cristo determinou a evolução através da consciência. Antes o projeto evolutivo era o de Lúcifer, agora é vigente o do arcanjo Miguel. Encarnar no corpo do inimigo, por isso Jesus diz: Amai vossos inimigos.

Assim, Lúcifer, o primeiro projeto de evolução humana que não deu certo.

Miguel Arcanjo é o interventor e cria seu próprio projeto, ser o inimigo e conhecê-lo profundamente.

Deus vem em Jesus e decreta a evolução pela consciência.
 
A verdade confunde uma mente viciada

Egoísmo edificado sobre areia da pura demência

 
O verdadeiro amor é incondicional por natureza, não infringe nenhum tipo de dor. Aquele que sequestra, rouba e mantém um ser em cativeiro, esta pessoa, o faz por si mesma manifestando brutal egoísmo edificado sobre areia da pura demência. Dizer que subtrair um ser para si é amor, é uma colossal deturpação de tudo aquilo, que seres conscientes e lúcidos preconizam como real e verdadeiro. O amor não se procura, não se mendiga, é encontrado quando se esquece da busca.
 
Egoísmo edificado sobre areia da pura demência

Termos e Condições de Uso Luso-Poemas

 
Favor observarem as regras que todos aceitaram ao fazerem uso deste espaço. Grato

Termos e Condições de Uso Luso-Poemas
Publicado por Luso-Poemas em 01-Feb-2012 01:50 (23481 leituras)

O presente acordo regula o uso dos serviços prestados por Ricardo Costa
como proprietário e administrador do portal Luso-Poemas.

Do Luso-Poemas

1. O Luso-Poemas, criado em 6 de janeiro de 2006, é um espaço de convívio, publicação, opinião,
discussão e divulgação, aberto a todos, registrados ou não, onde o usuário é responsável
por suas ações e consequências.

2. Os textos (poemas, comentários e mensagens) publicados em Luso-Poemas
são de responsabilidade dos respectivos autores.

3. O Luso-Poemas exige e defende que toda obra literária que se publique e leia no portal
seja da autoria da pessoa que o assina ou, se for o caso, que faça constar o nome do autor
assim como a fonte da qual a obra foi extraída.

4. Ao acessar o Luso-Poemas, o usuário se compromete a fazer uso dos seus serviços
conforme o estabelecido nas leis e/ou normas aplicáveis no país através do qual é feito o acesso
e ao disposto neste acordo.

5. Ao utilizar qualquer dos serviços e/ou conteúdos disponibilizados por ou através
do Luso-Poemas, o usuário aceita e concorda cumprir com os termos descritos aqui,
assim como as normas e regras de funcionamento deste portal.

6. Qualquer alteração futura do presente acordo e demais normas contidas no portal não será notificada
individualmente nem pessoalmente a cada um dos usuários. Entende-se que o usuário aceita
o presente acordo, demais normas e alterações cada vez que visite a página do Luso-Poemas
ou faça uso da mesma.

7. Todas as situações não previstas no presente documento serão avaliadas e decididas
em reuniões administrativas, cabendo à administração a decisão de ter ou não a presença
de elementos exteriores a ela, não tendo estes, direito a voto.

8. Quaisquer mudanças efetuadas no presente documento terão efeito imediato pós-publicação
e poderão ser difundidas através de exposição no site, em local considerado adequado.

9. Caso o usuário não concorde com o presente acordo e normas do Luso-Poemas,
pedimos que não acesse este portal nem utilize o seu conteúdo ou qualquer serviço aqui prestado.

Copyright © 2006 Luso-Poemas
Todos os direitos reservados.
__________________________________________________________________________________________

Artigo 1º

O Luso-Poemas reserva o direito de modificar, adicionar ou remover unilateralmente, em qualquer momento
e sem aviso prévio, parcial ou totalmente, qualquer serviço oferecido ou prestado pelo portal.

I. O Luso-Poemas não se responsabiliza pela perda de conteúdos resultante
de encerramento de serviços, problemas técnicos, violação do sistema por hackers ou outros.

II. Os serviços prestados por Luso-Poemas não conferem qualquer direito ou garantia aos usuários.
Qualquer prejuízo resultante do uso dos serviços é da inteira responsabilidade do usuário.

III. O acesso à página de qualquer usuário torna público o IP usado na conexão
e poderá ser visualizado pelos usuários que tenham direitos de administração ou de moderação.

IV. O Luso-Poemas trabalha de acordo com a Política de Privacidade que rege a utilização
das ferramentas do Google e outras plataformas de publicidade.
Para mais informações visite o seguinte link: Política de Privacidade.

V. Dada a impossibilidade de controlar a totalidade dos conteúdos transmitidos, armazenados
ou publicados através da página ou seus serviços, o Luso-Poemas não garante a exatidão,
idoneidade, atualidade, veracidade, utilidade ou qualidade dos mesmos, assim como não garante
a sua conformidade com o presente acordo e demais normas.

VI. O usuário, ao acessar a página e os seus serviços, poderá ser exposto a conteúdo
ofensivo, injurioso, ilegal ou contrário ao presente acordo e demais normas.
O Luso-Poemas não é responsável perante o usuário ou terceiros pelo dito conteúdo.

VII. A falta de Luso-Poemas em exercitar ou fazer cumprir qualquer direito ou disposição
do presente acordo com o usuário não constitui uma renúncia ao dito direito ou disposição,
a menos que seja reconhecido e aceito por escrito pelo seu fundador, Ricardo Costa.

VIII. Todo comportamento que viole o presente acordo e demais normas dará direito ao Luso-Poemas
e seu fundador, assim como a quem ele autorize, de suspender ou terminar, com ou sem aviso prévio,
os serviços prestados ao usuário que incorra em tal atividade infratora do presente acordo
ou de qualquer outra lei ou disposição não mencionada que seja de aplicação geral.

IX. O fundador do Luso-Poemas ou as pessoas a quem o mesmo designar para o efeito, terão,
à sua discrição, o direito (porém não a obrigação) de, em qualquer momento e sem prévia notificação
aos usuários, recusar, modificar, mover ou remover qualquer conteúdo, que esteja disponível
através dos serviços da página, que viole o presente acordo ou que indicie uma contradição ao mesmo.

X. O Luso-Poemas não exige que sejam adicionadas, no momento de cadastro,
informações tidas como opcionais, tais como:

a) Nome;
b) URL do usuário (site)
c) ICQ;
d) AOL Messenger;
e) Yahoo! Messenger;
f) MSN Messenger;
g) Local;
h) Ocupação;
i) Interesses;

No entanto, caso o usuário queira adicionar quaisquer informações,
deve ter em vista as obrigações previstas no presente documento.
__________________________________________________________________________________________

Do fundador Ricardo Costa

Artigo 2º

O Luso-Poemas foi fundado por Ricardo Costa. Como fundador, todos os direitos reservados
ao Luso-Poemas lhe são também reservados.

Parágrafo único: O fundador do Luso-Poemas escolherá livremente usuários,
que voluntariamente aceitem e partilhem os princípios que inspiram este portal, para ocupar lugares
de administração, lhes atribuindo determinados direitos. Esses direitos poderão ser revogados
a qualquer momento, sem necessidade de motivo ou comunicação.
__________________________________________________________________________________________

Da Administração do Luso-Poemas

Artigo 3º

A equipe administrativa escolhida deverá ser composta por membros
com competências de gestão, mediação, publicação e decisão no âmbito do site.

I. A administração de Luso-Poemas reserva-se o direito de:

a) Alterar ou acrescentar termos e condições ao presente texto,
adequando-o a situações não previstas;

b) Alterar o padrão organizativo do Luso-Poemas, incluindo eliminar ou descontinuar
os seus conteúdos ou serviços, se for entendido que as condições de funcionamento obrigam a isso;

c) Alterar a composição administrativa, convidando elementos entendidos como válidos
para funções consideradas necessárias, sempre sob a tutela do fundador;

d) Eliminar, sem aviso prévio, publicações feitas fora do local que lhes é destinado ou que viole as regras.

e) Enviar advertências, dar suspensões, apagar, mover e restringir textos;

f) Mediar discussões e responder dúvidas de usuários;

g) Emitir pareceres e intervir unilateralmente, baseando-se no presente regulamento,
sobre qualquer elemento ou publicação que viole as regras de civismo e ética;

h) Avaliar e ajuizar sobre todas as queixas e situações não compreendidas neste documento.

Parágrafo único: O fundador Ricardo Costa terá sempre a palavra final
para toda e qualquer medida tomada pela administração.
__________________________________________________________________________________________

Dos usuários

Artigo 4º

É obrigatório ao usuário:

I. O comprometimento de não fazer uso dos serviços ou conteúdos disponibilizados
por Luso-Poemas para fins ilícitos, lesivos de direitos de terceiros, contrários ao presente acordo,
demais normas e legislações aplicáveis no país através do qual o usuário esteja acessando a página.

II. Não acessar ou fazer uso do portal com fins sediciosos ou clandestinos que possam, de qualquer forma,
causar dano, inutilizar, sobrecarregar, deteriorar o Luso-Poemas e seus serviços ou impedir
o seu uso normal pelos demais usuários.

III. Ter conhecimento de que o conteúdo disponibilizado por outros usuários
no Luso-Poemas ou pelo próprio fundador, esteja ele em área pública ou privada, é de titularidade exclusiva
e de responsabilidade exclusiva do proprietário do respectivo conteúdo e não de Luso-Poemas,
exceto quando expressamente indicado o contrário.

IV. Ter conhecimento de que o Luso-Poemas não é responsável pelo conteúdo (público ou privado)
disponibilizado por qualquer usuário, nem é esse conteúdo representativo da opinião do Luso-Poemas.

V. Ter conhecimento, como todas as consequências legais que isso implica, das normas internacionais
ou conceitos sobre a propriedade intelectual e direitos de autor (Observados no Anexo 1 ao fim deste documento).

VI. A abstenção, tanto neste portal como em qualquer outro portal ou meio, seja ele dentro ou fora da internet,
de plagiar(Vide Artigo 6º, V), copiar, falsificar ou de qualquer outra forma manipular conteúdo publicado
(pública ou privadamente) por outro usuário desta página.
Assim mesmo, se absterá de publicar (pública ou privadamente) em Luso-Poemas, conteúdos
que infrinjam a Lei da Propriedade Intelectual (Observada no Anexo 1 ao fim deste documento).

VII. Reconhecer, estar de acordo e aceitar que Luso-Poemas possa manter e conservar em seus arquivos
informações pessoais transmitidas pelo usuário ou pelo seu navegador de internet (por exemplo o IP).

VIII. Concordar que o Luso-Poemas revele essa informação no caso de existir um mandado judicial
ou uma requisição feita por autoridade competente, ou por considerar de boa-fé que essa informação é necessária
para cumprir processos legais, sejam eles administrativos ou judiciais, ou para proteger os direitos,
a propriedade e a segurança do Luso-Poemas, dos seus usuários ou do público em geral.

IX. A abstenção de utilizar a conta de outro usuário sem que tenha obtido autorização
e permissão expressa do mesmo. Em nenhum caso o usuário pode acessar a conta
de outro usuário que tenha privilégios administrativos.

X. A abstenção de utilizar os serviços prestados por Luso-Poemas para fins comerciais,
incluindo envio de publicidade, material promocional e links para sites comerciais.
A publicação de anúncios é permitida apenas em locais expressamente designados para o efeito.

XI. A abstenção de introduzir, publicar (pública ou privadamente), enviar mensagens privadas
ou correio eletrônico, ou de utilizar qualquer serviço disponibilizado pelo Luso-Poemas
para transmitir conteúdo que seja ilegal, prejudicial, abusivo, difamador, calunioso, que viole a privacidade de terceiros, que gere ódio racial e/ou étnico e/ou religioso ou que de qualquer outra forma seja contrário ao estabelecido no presente acordo.

XII. Adicionar ao perfil apenas imagens de propriedade e/ou autoria
do usuário registrado ou permitidas pelo respectivo autor e/ou proprietário.

XIII. Informar a intenção de criar mais de uma conta à administração, indicando a conta criada.

XIV. A abstenção de fazer-se passar por outra pessoa ou entidade e de introduzir dados falsos,
alterados ou distorcidos com a intenção de causar erro, confusão, mal-entendidos, engano ou de
imunizar-se frente a reações que as suas ofensas ou ações contrárias ao presente acordo pudessem originar.

§1º: Caso seja detectado pelo fundador ou por algum elemento designado pelo mesmo que um usuário
utiliza uma segunda (ou mais) conta para algum fim descrito no Artigo 4º, II, VI, IX, XI, XIV, poderá suspender
e inclusive negar o acesso à página a todas as contas que estejam relacionadas com o IP desse usuário.

§2º: Serão eliminadas todas as mensagens entre contas associadas a um mesmo IP ou Cookie,
sendo ainda aplicadas quaisquer outras medidas publicadas nas regras de Luso-Poemas em caso de reincidências.
__________________________________________________________________________________________

Dos Espaços de Publicação

Artigo 5º

O Luso-Poemas é composto pelos seguintes espaços de publicação
e deve ser respeitado o fim a que cada um deles se destina;

I. Poemas e outros textos:

Espaço reservado a textos originais dos usuários.
Este espaço não pode ser utilizado para outro fim.

II. Comentários:

Espaço anexo ao texto que se pretende comentar.

a) O autor do texto pode apagar
qualquer comentário presente em seu texto;

b) O autor do comentário pode editá-lo;

c) O autor do comentário pode pedir
à administração que apague o comentário.

III. Fórum:

Aqui deverão ser publicados os tópicos de discussão, sugestões, divulgações,
dúvidas e outros assuntos abertos à opinião geral.

IV. Chat Interpessoal:

Aqui é possível entrar em contato direto com quem está online.

V. Sala de Bate-papo:

Espaço para salas de bate-papo entre usuários que estejam online.
Há também uma sala geral, onde é possível convidar quaisquer usuários.

VI. Livraria:

Espaço onde se publicitam livros publicados para aquisição pública.

VII. Clássicos:

Espaço reservado à publicação de textos de autores consagrados.

VIII. Concursos:

Espaço reservado à publicação de trabalhos a ser submetidos a um concurso que esteja aberto.

Parágrafo único: Cada área poderá conter regras específicas e estas poderão ser adicionadas
em local e tempo propícios conforme o entendimento da administração.
__________________________________________________________________________________________

Do uso e publicação no Luso-Poemas

Artigo 6º

O uso dos espaços do Luso-Poemas deve prezar
o bom entendimento entre todos os que dele participam,
assim como obedecer as disposições legais em vigor.

I. Será passível de punição e/ou exclusão qualquer conteúdo
que demonstre qualquer tipo de discriminação
(Ex: conteúdos xenófobos, racistas);

II. Será passível de punição e/ou exclusão qualquer conteúdo
que demonstre provocações desrespeitosas entre os usuários
(Ex: calúnia, difamação, injúria, ofensa direta);

III. Serão passíveis de punição e/ou exclusão intervenções
desrespeitosas ou respostas públicas às mesmas, (os usuários que ficarem "batendo boca" em comentários, insultando, provocando e ofendendo o caráter um do outro, serão suspensos OS DOIS, imediatamente);

IV. Será passível de punição e/ou exclusão a publicação de informações pessoais,
tais como Mensagens Privadas ou conteúdo do Chat,
sem a prévia autorização de todos os seus interlocutores;

V. Será passível de punição e/ou exclusão qualquer conteúdo
tido como plágio direto e comprovado;

VI. Será passível de punição e/ou exclusão qualquer conteúdo
que extravase o âmbito do site ou seja considerado lesivo para o seu funcionamento
(Ex: Pornografia);
Para mais informações visite a nossa política de conteúdo.

VII. Serão passíveis de punição e/ou exclusão perfis usados para a prática de publicidade ou Spam.

VIII. As publicações no fórum devem obedecer as regras específicas do espaço,
que podem ser vistas acessando este link: Regras do Fórum
__________________________________________________________________________________________

Das queixas e reclamações

Artigo 7º

Qualquer queixa ou reclamação deverá ser apresentada
nos espaços ou contatos disponibilizados para o efeito:

I. PMs - Mensagens Privadas - para os elementos da administração, elementos
designados pela mesma ou para o perfil Luso-Poemas;

II. Contatos individuais de e-mail disponibilizados pela administração;

III. Formulário de Contato, através do link: Formulário de Contato.

§1º: Para situações de caráter litigioso,
deve evitar-se a exposição da mesma em espaços destinados
ao público. A comunicação deverá ser feita à administração
para que haja uma mediação e tratamento da situação.

§2º: É do interesse de Luso-Poemas que os usuários reportem qualquer violação
do presente acordo, normas de conduta e medidas de correção(Vide Artigo 8º)
sempre que delas tenham conhecimento.
__________________________________________________________________________________________

Dos avisos, suspensões e exclusões

Artigo 8º

O descumprimento dos pontos expostos acima estará sujeito à análise e tratamento por parte da administração,
havendo ou não lugar ao contato e esclarecimento com o usuário. Dependendo da gravidade da infração,
serão tomadas medidas para o bom funcionamento do espaço, previstas neste artigo.

§1º: Em caso de reincidência, a punição a ser aplicada será mais rígida.

§2º: Não cometendo o usuário nova infração no período de trinta dias,
estará restaurada a sua primariedade, de modo que a infração cometida após este período
receberá advertência, novamente dependendo da gravidade da infração.

I. A primeira infração é passível de advertência.

II. A segunda infração é passível de suspensão por até um dia.

III. A terceira infração é passível de suspensão por até sete dias.

IV. A quarta infração é passível de suspensão por até trinta dias.

V. A pena para uma quinta infração será decidida por reunião administrativa.
__________________________________________________________________________________________
Anexo 1

Normas internacionais ou conceitos sobre a propriedade intelectual e direitos de autor

1. Considera-se autor qualquer pessoa que crie uma obra literária, artística ou científica.
A ele pertence a propriedade intelectual sobre a mesma pelo simples ato de tê-la criado.

2. Quando a obra se dá a conhecer de forma anônima ou por pseudônimo, os direitos da propriedade
correspondem à pessoa física ou jurídica que a divulgue, desde que o verdadeiro autor não revele a sua identidade.

3. Os direitos sobre uma obra que seja resultado da colaboração de vários autores corresponde a todos eles.

4. São objeto de propriedade intelectual todas as criações literárias originais, artísticas ou cientificas
que se expressem por qualquer mídia ou suporte.

5. A infração dos direitos atribuídos pela lei da propriedade intelectual pode ser punida mediante
o exercício de ações cíveis, penais e administrativas.

6. Em via penal, a pessoa que, com a intenção de beneficiar-se em prejuízo de um terceiro, reproduza,
plagie, distribua ou comunique publicamente, total ou parcialmente, uma obra literária, artistica ou científica,
sua transformação, interpretação ou execução artística fixada em qualquer tipo de suporte ou comunicada
através de qualquer meio, sem autorização dos titulares dos correspondentes direitos de propriedade intelectual
ou de seus representantes pode ser punida por cometer um delito contra a propriedade intelectual sancionada
com penas de prisão ou multa.
__________________________________________________________________________________________

Anexo 2

Dos Termos Utilizados

1. O termo serviço significa todo e qualquer serviço relacionado com a internet disponibilizado
por ou através do portal Luso-Poemas, incluindo, sem limitação, acesso à internet, poemas, chat, fóruns,
mensagens, concursos, eventos, links e qualquer outra funcionalidade que ofereça ou preste o Luso-Poemas,
por sua própria vontade, existente neste momento ou no futuro.

2. O termo conteúdo significa toda e qualquer informação, dados, materiais, textos, imagens,
vídeos, áudios, programas disponibilizados por Luso-Poemas. Este portal não se responsabiliza
pelo conteúdo enviado pelos usuários ou contidos em links que não sejam da autoria de Luso-Poemas.

3. O termo usuário significa qualquer pessoa que acesse ou utilize
qualquer serviço ou conteúdo, tendo ou não uma conta registrada em Luso-Poemas.

4. O termo Luso-Poemas compreende o conjunto de conteúdos e serviços
disponibilizados pelo endereço www.luso-poemas.net.

Conclusão

O Luso-Poemas agradece a atenção dispensada e refere que a utilização do mesmo
deve ser livre e harmoniosa entre todos os usuários.

"Entre os fortes e fracos, entre ricos e pobres, entre senhor e servo é a liberdade que oprime e a lei que liberta".
- Jean-Baptiste-Henri Dominique Lacordaire
 
Termos e Condições de Uso Luso-Poemas

Presenciar a destruição do planeta em que vivemos é muito frustrante

 
Presenciar a destruição do planeta em que vivemos é muito frustrante
 
Presenciar a destruição do planeta em que vivemos é muito frustrante, pois demonstra com clareza a ineficiência de nossas ações na casa maior que a vida nos doou. Do ponto de vista cósmico seremos considerados suicidas e assassinos.
 
Presenciar a destruição do planeta em que vivemos é muito frustrante

Jararaca Bruta

 
Jararaca Bruta
 
Jararaca Bruta

Veneno tem de sobra
Mas a danada
Toca sino
E é bruta
Em tocaia
Apenas
Faz-se
Burra
 
Jararaca Bruta

Um verso do universo

 
Um verso do universo
 
Não se fala para produzir um mal
Nada nesta existência é real
Apenas um eco
De um verso
Do universo
 
Um verso do universo

A leveza da tua alma

 
 A leveza da tua alma
 
Felicidade é poder abrir a janela da casa interna e dizer: Bom dia vida. É se deliciar com o cheirinho da manhã. É abrir a porta do quarto e ver pela fresta, que ainda dormem aqueles a quem ama. É descer a escada bem cedinho para iniciar um novo dia de trabalho, consciente, que do outro lado existem pessoas esperando pelo seu cuidado, seu sorriso franco e a leveza da tua alma.
 
 A leveza da tua alma

Que lindo!

 
Que lindo!
 
Relembro os dias em que minha professora dizia: Que Lindo! Era para tudo que eu fazia só para me manter motivado e não me ver chorando querendo a mamãe. Se naquela época ela falasse, "não gostei", seria o fim do mundo para mim, talvez passasse um mês emburrado, mas a "gente cresce", não é verdade? Naquela época era um tal de falar, "to de mau" para qualquer coisinha e me orgulhar por nunca mais "dar ideia". Cresci forte e briguento, se o mundo era mau, eu era pior, uma filosofia de vida que deu certo para o menino de rua, que carecia impor-se. O tempo passou e tornei-me o oposto do que tinha sido, embora não goste de fugir de uma boa briga, a infância sem pai e as ruas fortaleceram-me e me deram uma ideia daquilo que não queria para minha vida e de meus filhos. Busquei preparo prático em tudo que pudesse me qualificar a socorrer os mais fracos e necessitados, minha bandeira era: Lutar até os cordeiros tornarem-se leões, por este motivo tornei-me “Policial”. Hoje não há mais lutas externas, as hierarquias espirituais transferiram os "fogos fricativos" para o interno do homem facultando-lhe novos horizontes. Percebo que as crianças de hoje já nascem com o DNA incorporado ao que é mais interno, principalmente se ela vem de linhagem de seres que já tinham um “histórico” favorável. Hoje querer motivar uma criança dizendo: Que lindo! É a mesma coisa que dizer: Me ensina. São estas crianças de hoje que transformarão para melhor a face da terra. Olho para a postura da minha neta de quatro anos, para minha filha de dez e meu coração tem a certeza de dias de sol. Elas tem a firmeza de seres que sabem para o que aqui vieram. Tem sido um rico aprendizado com elas. De leão selvagem a gatinho.
 
Que lindo!

Os fora da lei

 
Os fora da lei
 
Os fora da lei
À vida na terra ocorre fora de padrões cósmicos. Estamos aprisionados em uma espécie de bolha onde o tempo parou em relação ao universo, por isso ao olhar o cosmos vemos o passado, pois é nele que estamos. Vivemos encerrados no ontem, pois se tocássemos a realidade destruiríamos a nós e ao cosmos, assim como um vírus letal, que já ceifou muitas vidas, encontra-se sob controle "onde está", mas sem existir ainda "uma cura". De certo ponto de vista não temos uma existência real.

Tudo muda a partir de nós mesmos.
Em 06/04/2016
 
Os fora da lei

Um ver de si

 
Um ver de si
 
O espelho reflete apenas o outro
Num pequeno ver de si
No peito há o ego
Num grande sonho de Deus

No pequeno vejo o outro
No grande vejo eu
Ao perceber-me
Digo, sou humano

No humano deposito
Todas as mazelas
De propósito
Isentando minha alma

Entre dois mundos
Transita o ser
Alguns sonham
Apenas crescer
 
Um ver de si

O poeta beberrão

 
O poeta beberrão
 
Oriundo do clã dos aficionados da cachaça, Duílho nosso herói beberão protagoniza uma cena bizarra num bar de "primeira linha". Havia apostado cem "pratas" com o dono do bar, que tomaria todas e mesmo bêbado comporia um poema de amor e sairia de lá com uma "mina". Lá pelas "tantas" já inebriado vê uma loira acompanhada de um casal de amigos e não é que lá vai ele cambaleando recitar seu mais novo poema para a moça, que tomada de espanto ouve calada. Quando Duílho termina uma mão toca o seu ombro por trás, era o namorado da moça que havia retornado do banheiro, tudo indicava que o "caldo ia entornar", no entanto o rapaz levou na esportiva e ainda quando foram embora, deram uma carona ao Duílho deixando-o em sua casa. Intrigada a moça pergunta ao rapaz o motivo de tão nobre atitude, ao que ele responde, que estava a cuidar do futuro, diante a cara de espanto da namorada ele explica, que apenas repetiu o que ele viu o seu pai fazendo uma vez, diante um embriagado. Concluiu o rapaz, que havia aprendido que tudo na vida são oportunidades que a mesma nos oferece e que nossas atitudes demonstram aquilo que fazemos com elas e traçam o nosso destino.
 
O poeta beberrão

Não há santos na terra, só demônios em busca de consciência e redenção

 
Houve uma guerra no céu causada por toda humanidade encarnada na terra. O planeta se ofereceu em sacrifício para abrigar as raças rejeitadas do cosmos. Para cá vieram todos os envolvidos na guerra e continuam matando-se mutuamente até hoje, contudo o que antes envolveu o céu ficou restrito ao planeta. Assim, o inferno é aqui onde vivem todos os demônios incluindo eu. Assim, num movimento inédito na "história cósmica", o pai maior de todos redimensionando-se carne desce ao inferno e cria dentro da rota de redenção criada pelo Arcanjo Miguel, outro caminho inédito, evolução pela consciência. Desta forma estará no caminho de retorno ao Pai (Deus) todos os demônios que crerem pelo menos que "ele se fez carne e entre nós habitou". Desta forma, não há na terra demônio que não possa retornar a Deus. Somos todos demônios em busca de redenção ou pelo menos aqueles que evoluíram em consciência.
"Não há santos na terra, só demônios em busca de consciência e redenção, mas isso só ocorre depois da vinda do Pai aqui".
 
Não há santos na terra, só demônios em busca de consciência e redenção

Nada mudou

 
Nada mudou
 
Desde sempre coube as massas populacionais carregar nas costas os sanguessugas. Na cartilha escravagista: "Escravo bom é aquele que acredita que é livre", com isso revoltas são evitadas.
 
Nada mudou

A infestação de fakes neste sítio

 
A infestação de fakes neste sítio
 
A minha opinião sobre o assunto.
Pessoas covardes, que se escondem atrás de perfis mais covardes ainda.
Que tanto têm a esconder a ponto de não terem a dignidade de mostrar a própria face.
Honra não existe mais neste contexto?
Como responder a um Fake, que se esconde no anonimato?
É a mesma coisa que querer argumentar com um poste ou com um monstro de várias caras (sem cara na verdade).
Como podem querer um mundo melhor sem honra, coragem, dignidade?
A minha indignação aos covardes, pois quando converso com uma pessoa não desvio o olhar converso “olhos nos olhos”, fica fácil identificar os “mentirosos”.
Mostrar a cara trás responsabilidade não é mesmo?
Até “pit-bull” quando morde mostra a cara.

Hoje 14/12/2015

No passado indignei-me com indivíduos, que usando do anonimato atacavam-me.
Hoje não digo que sejam covardes, o que disse foi em desabafo, mas os quem têm
5, 6, 7, perfis, ( mais de um , na verdade) não trabalham em prol da clareza", há isso, não trabalham mesmo.
 
A infestação de fakes neste sítio

Ego exacerbado

 
Ego exacerbado
 
Insinuando-se intelectual
Rotulando
Seus colegas
Nivelando-os
A própria matéria
Fecal
 
Ego exacerbado

Meu objetivo na vida
É trazer luz lá do fundo
Assim na partida
Já conhecerei além-mundo