https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de fernandobarbosa

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de fernandobarbosa

Vali-me da poesia para chegar a ti!

 
Vali-me da voz, através da escrita…essa maneira erudita, de poder chegar a ti.
 
Vali-me da poesia para chegar a ti!

Pela emoção de estar aqui, contigo!

 
Hoje, sinto-me, reviver
Com o coração, feito em brasa
Aqui, eu vim, para te ver
Amigo, poeta da casa.

Vim também, pela saudade
Amigos, que aqui, encontrei
Que se deram, pela liberdade
Nunca mais, os esquecerei.

Neste brado, de esperança
Dia a dia, fui crescendo
Pela vitória e pela mudança
Hoje aqui, estou vivendo.

Pelos poemas, com graça
E da poesia, excelente
Muitos aqui, assentam praça
Ninguém fica, indiferente.

Todos vêm, pela saudade
Matar o “vício”, também
Escrever, com dignidade
Surpreender, como ninguém.

Não consigo explicar
Pelos anos, que me ausentei
Depois, de muito pensar
Outro homem, aqui, serei.

A poesia da vida
É toda, a minha emoção
Vida por ti, preenchida
Com toda, a dedicação.

A troco, de quase nada
E nas horas, mais incertas
Juntos, na mesma estrada
No cantinho, dos poetas.

És a luz, que me alumia
Candeia em mim, sempre acesa
És o pão, de cada dia
Que me alimenta, à tua mesa.

Ao meu jeito, podes crer
Aceitai-me, como eu sou
Impossível, descrever
O quanto por ti, eu me dou.

Um poeta, a tempo inteiro
Um poeta, sonhador
Simples, humilde e verdadeiro
Que faz, poemas de amor.

Cores, da minha bandeira
Ó gente da minha terra
No teu canto, obra de arte
Neste tempo, que é de guerra.

Meu querido, poeta amigo
Cuja terra, os pés, eu piso
É bom, estar aqui contigo
Oh! Quanto, de ti, eu preciso.

Também aqui, com prazer, todos nós, nos manifestamos. Pela voz que ecoa, residentes somo todos nós, que seja por uma boa conduta e por uma boa razão, que possamos ver o nosso dever cumprido, num mundo cada vez mais, meu e teu, neste mundo dos poetas, mundo livre, cada um, aqui, neste cantinho do luso, se possa sentir em casa.
 
Pela emoção de estar aqui, contigo!

Pelo respeito de todos os poetas…

 
 
Além daqui,
a expectativa cresce,
e tudo o mais acontece,
na vida de todos nós.

Muito mais do que as palavras,
que aqui expomos,
outros mundos se cruzam,
em nossas vidas,
onde aqui os sonhos, são reais
muito antes de se tornarem imortais.

Muito além dos limites
e das nossas forças,
um quadro de honra
pela expectativa crescente
das palavras ditas…
que, de tão apelativas que são,
lançam-nos profissionalmente,
sem nunca esquecer
que pessoalmente também
esta realidade
está muito mais presente
na vida de todos nós.

E muito mais aquém,
onde além, eu falo disto,
Importa aqui, insisto…
encontrar-mos o nosso aprisco
e sem não poder fugir ao fisco
o nosso único porto de abrigo,
aqui ou em contra-mão,
uma mão carente,
um irmão amigo sempre,
ou então, um amigo irmão.

Que cada um de nós saiba
cuidadosamente cultuar,
cultivar afetos,
uma receita de todos nós…
pois pela cortesia
das palavras expressas,
eruditas ou não,
jamais alguém nos calará,
ninguém apagará de nós,
o nosso pranto,
ou a nossa dor,
o nosso encanto
ou o desamor.
e muito menos, a nossa voz,
que intensamente vibra
no coração de todos os poetas.

Pelo respeito da cor, ou raça,
da crença da religião,
pela originalidade,
pelo apreço,
pela motivação,
pela credibilidade,
pela emoção,
pela sensibilidade,
pelo carinho,
pela união,
pela afetividade,
pela paciência,
pela criatividade,
pela preserverança,
pela paz e tranquilidade,
e particularmente, pelo amor…
A todos os poetas e poetisas,
com um só corpo e ”alma”,
devotos a um só coração,
a minha sincera e grata presença,
e também a minha eterna gratidão.
 
Pelo respeito de todos os poetas…

Em ti me encontrei...

 
Fiquei imobilizado, sem saber o que dizer
Por instantes detive-me, sem saber o que escrever.

Ganhei coragem
Contive-me, perdi-me
Quando te senti, no toque da tua mão…
E num rodopiar
De múltiplas emoções
Parei para te contemplar
Como se fosses a primeira-dama
Da génesis, de toda a criação.

Delirei…
Nem sei dizer-te
O quanto gostei…
Amei tanto que chorei.
Todo esse teu partilhar
Todo esse teu encanto
Tanto dás, que eu não sei quanto
O quanto de ti gostarei.

Agora que o coração
Bate assim desgovernado
Tenho toda a sensação
Que estás sempre aqui a meu lado.

Fui lendo
Fui contemplando
Fui descendo
E a emoção cada vez mais foi crescendo
Muito além do infinito
Cada vez mais perto estás
Mesmo longe sei que voltarás
Cada vez mais perto te sinto.

Saciar-me-ei…sentimento sem maldade
Contemplar-te-ei…render-me-ei em tua humildade
Nessa viagem final
Apareces triunfantemente
Fazes dela um ritual
Devoras-me o corpo e a mente.

Vem…volta para o meu abrigo
Sabes onde me encontrar
Mesmo quando choro ou rio…
Minhas ambições em ti vou encontrar
Com tuas melodias, versos e poemas
Mesmo sem te ter, sei que te vou amar.
 
Em ti me encontrei...

Para além da solidão...

 
Solidão é por certo eu digo
todo o deserto percorrido
da vida que nos sufoca
infortúnio e desamor…
Da vida que nos maltrata
da revolta que nos mata
revés de incerteza e de dor.

É o sofrer tão cruel
Que invade a nossa pele
destrói os nossos sentidos
corpo e alma dormente…
Percorre todo o nosso ser
corrompe todo o nosso viver
e para além do nosso perder
devora-nos tão lentamente.

É a desgraça da vida
que nos leva de vencida
muito além do abismo
num desespero total…
De coração destroçados
cerca-nos de todos os lados
na mais íngreme escalada sofrida
no desconforto sentencial.

Na maior encruzilhada
perde-se o sul e o norte
e num prenúncio de morte
percorre-se sem ver a estrada…
Sangue que congela somente
dilacera o corpo e a mente
e tão inconsequentemente
volta em cada madrugada.

É um eco sem retorno
é criança ao abandono
num mundo sem esperança
destino que nos fugiu…
É fogo consumidor
é raio destruidor
um cálix de amargura
que a vida de graça nos serviu.

É o sentimento esquecido
no sonho que está retido
é o coração destroçado
no parir indesejado…
É o partir apressado
que não leva a nenhum lugar
é o querer adormecer
para nunca mais acordar.

Se somos incompreendidos
indesejavelmente esquecidos
não percamos a esperança
de a vida querer viver…
Se vivermos diligentemente
conseguiremos triunfantemente
adeus solidão para sempre
e tudo na vida vencer.

Por experiência própria aprendi ( Se bem que todos os dias aprendemos ) que a melhor forma de combater os nossos próprios fantasmas, será não escutarmos a voz do nosso próprio subconsciente.

Devemos com todas as nossas forças eliminar o negativismo que nos invade, pois se nos deixarmos desanimar, depressa cederemos…

Quando a solidão bater à porta do nosso coração, devemos procurar um amigo, ou alguém especial alguém que nos dê ouvidos, alguém com quem partilhar esta revolta que nos invade…

O tempo vai passando, e a pouco e pouco, a turbulência se dissipará, e raios de sol de imediato invadirão toda a nossa vida de imensa felicidade.

Não sou nem mais nem menos que ninguém, sou de carne e osso como qualquer outra pessoa, no entanto já passei por momentos difíceis, e quantas vezes um sorriso bastou, para mudar todo o meu astral, e claro está…nestas situações, sempre tenho um amigo(a) por perto, que sempre para mim, estende a sua mão.
 
Para além da solidão...

Mulher…distintas formas de te descrever.

 
Distintas são
as formas de te ver
de te conhecer
de te descrever
tão puras, quanto sentidas
em minha vida, em meu viver.
Tão nobres
tão lindas
tão expressivamente vividas
quanto a luz
dos teus lindos olhos
pelos quais, eu me vou perder.

Não escondo
a emoção de te dizer
que me perco
na originalidade
de teus lindos afectos…
Assim eu te descrevo
assim eu te recebo
sem medo vem ao meu aconchego
receber-te-ei
de braços sempre bem abertos.

Deusa linda
néctar delicioso e suculento
o meu fruto proibido...
Deixas-me sem jeito
sentimento que arde no peito
de todos os frutos
és o mais apetecido.

Por ti…
eu vou pois acredito
irei mulher por ti
além do infinito
vou aonde quiseres ir
partirei com toda a convicção…
Assim eu te pinto
na minha tela expor-te-ei
admirar-te-ão, admirar-te-ei
não te minto
seduzir-me-ás sorrindo
com a beleza da tua paixão.

Queria falar-te
a linguagem dos deuses
palavras eruditas, palavras escritas
quantas vezes
aquém da minha compreensão…
Falar-te-ei com emoção vivida
palavras esculpidas na rocha
tocha acesa
entre as paredes do meu coração.

Serei defensor da lei
das palavras que te escravizaram
das quais
desejarás jamais recordar...
defender-te-ei
se necessário for
com a minha própria vida
por ti entregar-me-ei
serei a tua luz, no teu lindo olhar.

Serei o teu protector
serei um potencial defensor teu
não te escravizarão jamais...
Serei uma mais-valia
um justo juiz
veredicto final que não intimida
dos teus direitos preconcentuais
defensor dos teus próprios ideais.

Recordar-te-ei
nos sonhos incontidos
revelar-te-ei
os meus sonhos proibidos
escutar-me-ás atenciosamente
escutar-te-ei incansavelmente...
Contemplar-me-ás
contemplar-te-ei
serás no tempo hoje
passado, presente e futuro
serás para sempre livre mulher
como livre foste, na génesis do mundo.

Assim eu te descrevo
sem receios e sem medos
segredos escondidos
na tua forma oculta
de sorrir e de chorar
de sofrer e de amar.
Mulher…
que o teu nome seja
potencialmente sentido
universalmente conhecido
por todos seja respeitado
como as estrelas no infinito
perpetuamente recordado.

Nenhum outro sentimento fala mais alto, que a beleza no coração de uma mulher

Lidera incondicionalmente o percurso de nossas próprias vidas.

Merecidamente e por excelência, se torna heroína de nossos próprios ideais.

Ela se desdobra, se multiplica, cada vez mais se identifica…e entre todas as coisas criadas, na mais bela obra de toda a criação de Deus, ela surge em glória para aceitar em sua humildade, a missão mais nobre, ao aceitar com dignidade ser por excelência mãe.

Para todas as mulheres o meu carinho, a minha total gratidão. Beijinhos
 
Mulher…distintas formas de te descrever.

Humildemente; eu peço, a Deus!

 
 
Eu peço a Deus, que nos guarde, da peste e da guerra
Eu peço a Deus, noite e de dia, nos possa livrar
Deste vírus mortal, que ataca, a todos nós
Desta praga infernal, que nos deixa, tão sós
E sem nada a temer, a Deus eu vou dizer
Que nos livre, algum dia.

Eu peço a Deus, que nos dê, sempre o pão, sobre a mesa
Eu peço a Deus, humildemente, sem que haja, avareza
O nosso trabalho, Ele abençoará
E cada empresa, Ele a guardará
Nada nos faltará…
Deus por cima está, disso tenho a certeza.

Eu peço a Deus, que os homens, acabem com a guerra
Eu peço a Deus, que os povos, vivam em união
Numa só fé, um só Deus, só a Jesus, adorar
Viver como irmãos e todos dar as mãos
OH! quão bom, que era.

Eu peço a Deus, que os homens, amem as criancinhas
Não lhes façam mal, inocentes e tão pequeninas
Pelas que vivem, tão sós, sem ter pai e sem mãe
A uma só voz, cada um de nós, ajudá-las também
E se alguns de nós, poderem ajudar
Com respeito e carinho, dar-lhes pão e abrigo
Que nada, lhes possa faltar.

A Deus, eu peço, que nos guarde, desta pandemia
E com apreço, que ela possa acabar, algum dia
Da fome, nos possa livrar, da morte, nos livrar também
E que todos nós, a uma só voz, o adoremos, Ámen.

Presentemente, atravessamos tempos muito difíceis. Eu creio e tenho fé, que apesar de muitas dificuldades, Deus, na Sua infinita misericórdia, em seus cuidados, no seu tempo, por amor da humanidade e de todos nós, nos trará livramento.
 
Humildemente; eu peço, a Deus!

Contemplei-a...na beleza de seus encantos.

 
Contemplei
suas palavras
afectivas
palavras ditas
escritas; textualmente sentidas
em mim vividas.

Contemplei-a
como a lua
despida...semi-nua
expressiva forma de se mostrar
na beleza do seu luar.

Contemplei
o sentimento
que nos deixa
vibrar de emoção
de contentamento
perdi-me, escondi-me
esqueci o tempo
fugindo de minha mão.

Contemplei-a
na saudade
de quem tão bem define
tão bem exprime
a palavra verdade.

Contemplei
com emoção
as palavras que
me enriqueceram
aqueceram o meu coração.

Contemplei o poema
o tema...
esse seu elegante jeito
de dizer e de escrever
Em mim...
senti-me novamente crescer
senti-me outra vez renascr.

E tudo em si
foi...
beleza,
encanto e saudade
pois suas palavras
me tornaram, me fizeram
sentir prisioneiro
da sua própria liberdade.
 
Contemplei-a...na beleza de seus encantos.

Se parto ou volto, eu não sei...

 
A todos os Lusos escritores.
A todos os meus amigos.

A todas as pessoas que me visitam, a todas as pessoas que têm por mim amizade e admiração, e estima verdadeira, aos amigos independentemente do sexo raça ou cor, endereço minhas palavras.

Comecei a frequentar o Luso poemas a partir deste ano, o mês de Janeiro marca o início, o percurso até aqui percorrido.

Comecei a escrever o meu primeiro poema “ Se dissesse apenas “, um percurso inicial…um dos meus primeiros poemas escritos, pois os que anteriormente tinha feito, estavam relacionados com músicas que durante alguns anos tinha feito, ou sejam temas musicados, onde aproveitei para deixá-los aqui no Luso.

A popularidade foi crescendo, as pessoas começaram comentando, a pouco e pouco comecei por ser e cada vez mais conhecido, e acabei também comentando, segundo creio quase todas as pessoas que também me comentavam.

A amizade entre algumas pessoas foi crescendo e em cada dia mais e mais, e a minha amizade por elas cada vez mais crescia também.

Um poema atrás do outro, novos comentários surgiam, acabei abrindo o meu coração como o faço nos meus poemas, dediquei-me respondendo de corpo e alma, ainda hoje o faço, sem querer nunca magoar ninguém, com todo o respeito e carinho, assim eu sempre me dou.

Comecei por agradecer através de mensagens pessoais, e aqui as emoções cresceram ainda mais, fui a pouco e pouco querendo construir e afirmar-me cada vez mais, desejando que as pessoas, ainda mais me acarinhassem, pois por carências da própria vida, passado e presente, eu desejei cultivar ainda mais meus afectos entre as pessoas, e assim de repente ao querer construir amizades sólidas, acabei construindo um império.

Poema atrás de poema, uns comentavam outros não, claro cada um é livre de querer ou não comentar, verdade é que nem sempre comentamos todas as pessoas, assim outras pessoas acabam também por não nos comentar também, esta é a forma natural de aceitar todas as coisas, assim eu as fui com verdadeiro entusiasmo aceitando.

Sentia em algumas pessoas uma forma carinhosa de comentar meus poemas, sem querer ultrapassar a liberdade de cada pessoa, acabei dando a essas pessoas o melhor que em mim existia, de dentro para fora acabei também comentando, dando sempre o meu melhor.

Emoção atrás de emoção, a relação com algumas pessoas acaba por crescer e em cada dia cada vez mais, é sempre daquele género ao pensar que conseguimos controlar todas as coisas, mas por mais incrível que pareça acabamos cedendo e os sentimentos que pensamos controlar, de repente tornam-se “incontroláveis”, razão pela qual uns são mais humanos do que outros.

Cada vez que me comentavam eu vibrava intensamente, cada vez que a cada pessoa eu comentava, ainda mais intensamente vibrava. Sentia em minha pele, no meu corpo as manifestações…Os sentimentos cresciam a uma velocidade tal, que trava-los seria matar o prazer desta realidade virtual, e não conhecendo regras nem limites, eu me dei por todos e todos acabaram por se dar por mim, na generalidade, uns mais do que outros.

Em praticamente 3 meses consegui a proeza de escrever 60 textos, mais um…nada mau para um mero principiante nestas andanças, e apesar de ser entre todos o mais fraquinho, penso que ser comentado pelos melhores, creio que de uma forma ou outra, acabou enriquecendo um pouquinho mais e valorizando meus escritos.

Por aqui criei amizades maravilhosas, sei que amei e acabei também sendo amado, respeitei e acabei sendo respeitado, pois queiramos ou não aceitar, os amigos também se amam.

Não conheço ninguém pessoalmente, apenas virtualmente conheço as pessoas, claro algumas que por aqui passam. Tenho admiração por todas as elas, para mim são heróis e heroínas que ao seu jeito conseguem com coragem construir um património por demais valioso, a que desde já endereço os meus mais desejados parabéns.

Existem algumas pessoas que me tocam profundamente, para mim todas merecem ser acarinhadas, mas excepcionalmente algumas se tornaram especiais, Deus o sabe que não as esquecerei jamais.

Marcaram a minha vida, trouxeram-me todo o encanto que jamais aqui pensei encontrar, deram-me carinho, deram-me amor. Respeitaram-me e fizeram-me crescer, deram-me mais que oiro ou prata, deram-me a preciosidade de um amor maior, o tesouro incalculável que guardarei com a minha vida na intimidade do meu coração.

As pessoas são o meu maior tesouro, e tesouros maiores dos que aqui achei, tenho a certeza que jamais encontrarei.
Confesso que sou um homem realizado e feliz, a minha felicidade desde aqui cheguei aumentou mais e mais, a todas a s pessoas eu devo total dedicação, total respeito, total gratidão, e sendo feliz como sou, a todos desejo sempre as maiores felicidades.

Pessoas há que são muito especiais para mim, têm o meu e-mail, e quem me quiser procurar, o meu contacto no Luso está, como vêem não abandonarei ninguém.
Tomei esta atitude, achei que a deveria tomar, mais tarde ou mais cedo entenderão porquê, só Deus o saberá, se um dia ainda hei-de voltar.

Comecei a fraquejar, tornei-me mole, tornei-me flexível…senti alguma desmotivação ao certo não sei porquê, o tempo o dirá.
Apenas espero ter forças para um dia regressar, e voltar para todos os que em mim depositam a sua confiança, e jamais de mim se esquecerão.
Penso ter deixado marcas em alguns corações, não ignorarei o entusiasmo, a emoção que levo de cada pessoa, levo a todos na minha própria intimidade.
Todos me são queridos, alguns porém mais do que a minha própria família, esses jamais serão esquecidos.

Termino desejando a todos vós as maiores felicidades, prosperidade em tudo, em todas as coisas vos desejo, não vos esqueço, só vos peço que jamais me possais também esquecer.

Creio que o meu tempo não chegou ao fim, por vezes perdendo acabamos ganhando, a vida é uma escola, assim todos nós em cada dia possamos cada vez mais e mais aprender.

Se parto ou volto, eu não sei…

Eu parto, eu vou
Assim tristemente alegre eu me dou
Partirei como um peregrino
Em meu caminho
Não sei se vou só
Se fico em ti, ou se estou sozinho.

A chegada
Trouxe-me alegria
A partida traz-me tristeza
Não sei que diga
Não sei que faça
Só tu conheces
A minha “beleza”.
Parto chorando
Por ti, por mim
Parto para onde não sei
Parto além do horizonte…
Além do sul, além do norte
Entregue eu vou, à minha sorte
Entre mim e ti, fica uma ponte.

Encontrar-te eu quis
Ao conhecer-te, fiquei feliz
Deste-me” tudo”
O imenso, o teu lado mais belo.
Deste-me paz
Deste-me carinho
Deste-me amor intenso
Intensamente eu também te quero.

Sabes que…
Jamais te esquecerei
Jamais te abandonarei
Sabes que…
Me levarás contigo
Em mim, sempre terás um amigo.

Conheceste-me simples
Meigo, terno
Dizias até que eu era belo
Eu sei
Porque me amavas
Até demais…
Sempre sinceros
Amigos, seremos
Cada vez mais.

E se um dia eu voltar
Só Deus o saberá
Só Deus mesmo conhecerá
O porquê da minha partida…
Se um dia voltar
Conhecer-me-ás sempre
Por dentro e por fora carente
Sempre preso à tua vida.

Amigos, poetas e lusos
Perdoai os meus “abusos”
Perdoai se vos ofendi
Levado pela emoção
Se algum dia eu errei
Se algum dia sem querer
Ofendi vosso coração
Desde já vos peço perdão.

Creio que popularidade a mais mata...e talvez seja isso que me está "destruindo".
 
Se parto ou volto, eu não sei...

Simplesmente desigual, por ti, um bom motivo.

 
Eu hoje, falo de mim
Além de tudo aquilo, que eu sou
Só tu, me poderás, dizer
Se eu desejo, ser assim
Ou mesmo, que fales de mim
Só tens, que me conhecer.

Eu sei, porque vou, até ti
Entre atalhos, por aqui e acolá
Sincera opinião, numa nota carente
Subscrevo, intencionalmente
Tu, és do melhor que há.

Um conceito, que aprendi
Entre o ficar, ou sair
Mais vale, outra vez voltar
Para nunca mais, ter de fugir.

Subscrevo intencionalmente
A minha decisão; cumprida…
Em cada manhã, uma opinião, diferente
Serei eu assim, tão coerente
Ou como quem, se agarra à vida.

Um ar tenso, paira no ar
Sombrio e apagado tom
Se às vezes frágil, ou pouca beleza
Aparte da minha conduta
Não desisto, nunca da luta
Me refaço, eu tenho a certeza.

Basta um pouco de ti
Uma luz, no horizonte
Para me sentir, ocupado
Sonho, por um pouco mais
Desses poemas, banais
Quando estou, junto ao teu lado.

Um pouco de mim...por ti.
 
Simplesmente desigual, por ti, um bom motivo.

São lindas, as mulheres do meu país.

 
Toda a mulher linda, eu tenho a certeza
Que ela, nos fascina, com a sua beleza
Muito além dos sonhos e da imaginação
Ao encontro dela, vai o coração.

Tão linda, quando ela é criança
Tão linda, a idade da adolescência
Tão linda, a mulher, que a vista alcança
Tão linda, a mulher, por excelência.

São lindas, as mulheres do mundo inteiro
Mais lindas, as mulheres do meu país
Por elas, o sentimento é verdadeiro
Sem elas, todo o homem é infeliz.

Toda a mulher, que um homem ama
De amor, se alimenta, o coração
Em cada dia, aquela chama
Incendeia, muito mais, nossa paixão.

A maior beleza de uma mulher, está no interior, do seu coração.
 
São lindas, as mulheres do meu país.

Mais do que um irmão…meu eterno, amigo.

 
 
Hoje, é um dia, diferente
Inconsolável, para mim
Entre tantos, outros dias
Este, que não tem mais, fim.

Choro, pelo inevitável, momento
Choro, pela inevitável, separação
É impossível descrever, o momento
Que trespassou, o meu coração.

Sinto-me, a desfalecer
Como se fosse, morrer
Como se a terra, me fosse tragar…
Não consigo descrever
O quanto eu, estou a sofrer
O quanto aqui, estou a passar.

Todos os dias, foram, tão especiais
Com ele, na minha vida e eu no seu coração
Dias, que aqui, não voltam, jamais.
Custa tanto amigo, a “separação”.

Juntos, na mesma jornada
Anunciar, o evangelho, de Jesus
Lado a lado, na mesma estrada
Que à salvação, o pecador, conduz.

Aquele olá, carinhoso
Tão gostoso e apetecido
Que não posso, mais sentir
Desde que, partis-te, amigo.

O ontem, no tempo vivido
Que pela saudade, presente
Breve eu sei, vou estar, contigo
Até logo, (querido) irmão, Valente.

Neste dia, de muita tristeza, a solidão, bateu à porta do meu coração.
Mais do que um amigo, mais do que um irmão, para o Senhor, partiu...o irmão Valente
A sua fé, não foi em vão, disso eu tenho a certeza, pois dedicou toda a sua vida, em favor do evangelho de Jesus, para que todo o homem, por intermédio d`Ele, O aceitasse, como único e suficiente Salvador.

A minha sincera homenagem, num saudoso, até logo.
 
Mais do que um irmão…meu eterno, amigo.

Eis-me aqui, pelo grande amor dos poetas

 
Restam as saudades, muitas
De um tempo, distante
Em que a poesia, descrita
Aquela que fica, tinha outros olhares.

Hábitos que se perderam
Nas vozes, que se revelaram
Na ausência, dos poetas, vivos
Que tão cedo, nos deixaram.

Recordo-me da destreza
Da beleza, das palavras escritas
Eruptivas sensações, que fervilhavam
Num calor crescente, que se dissipou.

Este desejo da escrita, às vezes, mata
No palco da poesia, estranhas emoções
Apetite voraz, que teima em voltar
E muitas vezes, nos fere e maltrata.

Apeguei-me a amores que não conheci
Violentei, a minha liberdade
Expus-me, sem restrições
Por emoções, nunca antes, vividas.

Como presa fácil, dei-me por inteiro
Em busca, das minhas credenciais
Que em mim, despertaram afetos, verdadeiros
Aos quais me entreguei, mas não me entrego, jamais.

Num tempo de aperto
Amores desconhecidos, eu vi
Aos quais, por aqui, me afeiçoei
Tantas lágrimas, que eu derramei.

As mãos tremiam, o coração, batia forte
Pela espontaneidade, das palavras escritas
Que descreviam, sensações eruditas
As quais, me faziam, perder o norte.

Pelo desconhecido, vale bem a emoção
Poetas que se dão, vivos pela voz
Portas que se abrem, recados que se dão
Com tanta intensidade, assim somos todos, nós.

Preso, pelas emoções vividas
Eis-me aqui, no palco, das grandes manifestações
Uma nova vida, uma nova experiência, adquirida
Um novo ser, numa nova conduta.

A vida é mesmo assim
Faz-nos renascer, liberta-nos
Mas no apetitoso e sagaz, momento
Queima-nos por dentro.

Por ti, espero, não me deixes, só
Não me feches a porta, vive o momento
Há tanto em mim, para te ofertar
Não me deixes, à míngua do tempo.

Não fiques à porta, entra, és bem-vindo
Não tenhas vergonha, de entrar
Podes vir, humildemente, sorrindo
À tua nova casa, ao teu novo lar.

Vem como quiseres, mas vem
Aqui, somos todos iguais
Vem com a mente em brasa
Arrasa com as tuas, credenciais.

No calor da emoção, em horas incertas
Momentos, de fracasso ou de vitória
Vontade de chegar, ou partir sem glória
Mas eis-me aqui, pelo amor, dos poetas.

Na viragem do tempo, congratulo-me, com a tua libertação, pela saudade dos que voltam e nunca mais, possam partir.
 
Eis-me aqui, pelo grande amor dos poetas

Se eu pudesse ser livre...(1)

 
Não conheço a tua voz
Mas as tuas palavra
Imagino-as doces
Imagino-as meigas,ternas
Linda mulher...
Tuas palavras, quero-as
Ato-as…
Sinto-as…
Vivo-as…
Tão intensamente
Quanto em mim.
Por elas vou crescendo
Tenho até medo
De não me controlar
Mas vou devagar
Até ti
Meu doce e eterno luar.

Falas com a beleza
Do teu humilde coração
Tens uma linda expressão
Soltas as palavras
És uma diva, és uma querida
Falas com encanto e doçura
Como eu desejava fortalecer-me em ti
Tocar-te, amar-te
E finalmente, levar-te á loucura.

Aprenderás a conhecer-me, conhecer-te-ei
Aprenderás a descrever-me, descrever-te-ei.

Os sentimentos soltam-se em mim
Como um lindo jardim
Cada vez
Mais emocionadamente
Assim tu és essa linda flor
Corpo e alma carente
Assim somos pois…
Qual de nós dois, o mais carente?

Acariciar-te-ei sem te tocar
Sentir-te-ei no toque da minha pele
Mesmo sem pedires
Beijar-te-ei...
Tocar-te-ei...
Com a tua boca
Seduzir-me-ás...
Envolver-me-ás...
Com os teus loucos lábios de mel.

Calma, doce, terna e meiga
Entre outras emoções
Loucamente apaixonada
Assim eu te defino
Assim eu te cultivo
Assim eu te imagino
Corpo de mulher
Encanto de sereia
Assim eu me rendo
Em ti eu me prendo
Na tua teia.

Suspiro, estremeço, em ti cresço
O meu coração, bate desgovernado
Definitivamente…
Quero-te para sempre
Eternamente do meu lado.

Disses-te o que eu queria ouvir
Com doçura falas-te
O que eu queria sentir
Assim te li
Assim te descrevi
Aconselhaste-me
Escutei-te atentamente
Agora não te quero em parte
Num todo, quero-te para sempre.
A adrenalina, cresce cada vez mais
Não te quero perder jamais.

Se me “matares” um dia
Que seja por prazer
Que seja por sentimento
Devora-me por fora
Enlouquece-me por dentro
Seduzir-me-ás, seduzir-te-ei
Posso até morrer
De loucura e paixão
Mas só o amor
Me levará a ti
Levar-me-á ao teu coração.

Se eu pudesse ser livre
Voava para os teus braços
Invadiria todos os espaços
Para a tua própria vida
Seria teu, o meu lar
Serias o meu céu, o meu luar
Chamar-te-ia anjo meu
E tu chamar-me-ias
De meu querido, de meu amor
Para sempre...
Como eu quero ser somente teu.
 
Se eu pudesse ser livre...(1)

Prisioneiro da minha liberdade, sem excessos.

 
Todo nós, educadamente e de maneira, decente, cada um, à sua maneira, se vai manifestando, de acordo, com os seus princípios, que de uma maneira geral, têm sido credíveis e aceites aqui, neste espaço, onde cada um livremente, deixa a sua opinião.

Assim sendo, fiquei profundamente chocado, pela forma de comentar de algumas pessoas, que, confesso, nunca pensei que fosse possível, existirem, pessoas tão mal intencionadas, sem tento na língua, que de forma tão perversa, na forma de comentar, comentários dos quais, eu pessoalmente, não pactuo.

A nossa liberdade termina, quando a do outro começa é um facto bem presente, que manifestamente, por uso e abuso de alguns, tal liberdade, foi ignorada, quebrando todos os elos possíveis, que estão em desacordo, com os princípios básicos, da conduta do ser humano.

Oh! Quanto eu gostaria, que essa “gentinha”, perversa, que para mim, não presta, pois da maneira mais violenta, se expuseram, com comentários indecentes, se expressaram, insensíveis demonstrações, terríveis afirmações, comentários de todo desapropriados, que nunca jamais, deveriam ser feitos. Comentários tão indecentes e fraudulentos, que . chocam a todos nós, mas que “muita gente” (se assim lhes possa chamar), fazem da maneira mais cruel e disparatada possível, inimigos implacáveis, de todo desaprovados.

É vergonhosa, a participação, destes infelizes comentadores, que aliás, aqui, deveriam ser totalmente banidos, proibidos, mas que, queiramos ou não, tão difíceis, de controlar. São como a bola da traça, esta infeliz raça, que se assemelham aos parasitas, comparados com aqueles hospedeiros, que se alojam no nosso corpo, o qual vai desfalecendo e assim nos levam à morte.

Melhores dias se esperam, para este site, feito a pensar em todos nós, que deveria ser um passatempo salutar, para quantos aqui se alojam, sem nunca tirar a liberdade de ninguém, de se manifestar, certamente, desde que o façam, com bons princípios da liberdade, sem nunca prejudicar o próximo, que somos todos nós.

Aqui fica esta observação, apelo constante, que em nada dignifica esta estrutura, momentos de lazer, que oxalá, nunca sejam violados, mas que a tantos de nós, contribuam para que no Luso, todos nós, nos possamos sentir felizes e amados, Aqui deixo e manifesto, a minha sincera opinião.
Finalmente e resumindo, por favor, tento na língua e respeito por todos nós, obrigado,

Todo o ser humano pode ser livre, sem nunca perturbar a liberdade de cada um de nós.
 
Prisioneiro da minha liberdade, sem excessos.

A estrada de um poeta sonhador…

 
Sem vacilar…fiz-me à estrada
A caminhada de toda uma vida…
Olho em frente sem desanimar
No meu coração, a paz me acompanhará
Irrequieto vou, entre as feras lançado
A vida lá atrás, nada mais me diz
Sem qualquer impedimento prosseguirei.

Não tenho passaporte, não tenho alvíssaras
Na mão, apenas um cajado, sigo decidido
As recordações de uma vida amargurada
Levo-as na bagagem, continuarei viagem
Sou o escolhido…sei que nada me deterá.

De cara limpa e alma lavada, prossigo
Estrada de um sentido só, o norte me espera
Venho por ti…e pela sede de aventura, irei
Entre conquistas pelas quais me entrego
Há muito que por ti espero, não te desiludirei.

Sei que não estou só, sinto-te em mim a palpitar
Estou sóbrio sim, o meu coração ainda bate
Se a minha alma vazia, tem sede de ti, sacia-me
Vem tranquilamente, nada te deterá
Espera-me além do rio, cheio de coragem
Onde a bonança, nos alcançará.

A viagem ainda não chegou ao fim
Se até aqui cheguei, prosseguirei
Esta estrada lamacenta, dá-me náuseas…
Confiança, compreensão, sinceridade
É tudo aquilo que eu mais de ti, espero
A libertação, dá-me alento e confiança
A existir demanda, não me alcançará
Pois em porto seguro, finalmente atracarei.

Dedico este poema, com todo o carinho e respeito,às pessoas que, pela primeira vez
iniciam aqui, no Luso, a sua caminhada e até nós, corajosamente, vêem.

Quem aqui pela primeira vez vem
venha em paz, em seus cuidados venha
segura venha, tranquilamente
de braços abertos carente
encare o mundo de frente
pois em porto seguro atracará.
 
A estrada de um poeta sonhador…

Emoções diferentes em cada um de nós

 
Cada vez, que aqui venho
há emoções diferentes
pelas quais é impossível resistir…

Dos poemas que li
Dos versos que reli
e das palavras, que assisti
deixo aqui, o que intensamente, vivi.

A manifestação das palavras
diferentemente desiguais
Poetas que aqui, se manifestam
mas na sua essência, todos originais.

Há poemas, que falam de amor
amores intensamente, vividos
Que o tempo, não apagará jamais
numa jura de amor, para sempre, leais.

Pelas emoções vividas
por entre as palavras, de dor
a contradição dos afetos
numa desunião, imperfeita
imperfeitamente vivida, sem sabor
pelo caos, de uma vida.

Não há amores, perfeitos
nem testemunhos iguais
Entre nós, a saudade da escrita
a qual, a cada um incita
Da maneira, mais erudita
a sermos todos, originais.

Viver a vida, pela emoção de todos nós, num tempo nosso, segundo a nossa voz.
 
Emoções diferentes em cada um de nós

Lembranças do meu contentamento...

 
 
Hoje o meu dia começou mais cedo
lembranças serão sempre lembranças…
nada no mundo as apagará, nem de mim, nem de ti
muito menos do coração de um poeta.

Recordo-te com saudade…o meu peito abre-se
vou apressadamente, a correr para ti
para manifestar o meu contentamento
pois hoje, sou todo teu, por fora e por dentro.

Por entre as palavras, sinto a tua presença
o delírio, a paixão, a loucura…a minha inocência
recordo o quanto contigo fui, intensamente feliz.

Inexplicáveis emoções…o coração de criança não para
insaciável, assim como o amor que não se cala
o meu, não se consegue medir… incalculável
assim como este delito cego…jamais se extinguirá.

Ah! Como eu te amei, nem sabes quanto
a ti me devotei, pela atenção que tu me davas
saciaste-me com o mel da manhã, minha hortelã pimenta
a magia daqueles momentos não se extingarão
as brasas desse calor intenso, perpetuar-se-ão.

A tua poesia entrou na intimidade da minha pele
amei-te da cabeça aos pés, sem nunca te ser infiel
olharei para ti, como uma menina crescida, sim
a flor predileta do meu jardim.

Em mim desabrochas-te ainda muito cedo,
muito antes do café da manhã
minha romã doce apimentada; contemplar-te-ei.

Como quem sente o orvalho pela manhã, abraçar-te-ei
sei que não me abandonarás
aonde estiveres, contigo sempre estarei
como quem está presente, embora esteja ausente
nunca na vida, amiga...te esquecerei.
 
Lembranças do meu contentamento...

Sou o ser que tu receias

 
Sou como tu um poeta
tão selvagem de domar
Deixo a porta sempre aberta
por ela possas sempre entrar.

Serei um poema menor
verdade em ti escondida
Conheço-te pelo amor
preso estou à tua vida.

Sou a aliança fiel
dentro da tua razão
Estou vivo na tua pele
dentro do teu coração.

Sou o fruto apetecido
que tu provas e arranhas
Quantas vezes proibido
dentro de tuas entranhas.

Sou o ser que tu torturas
com orgulho e altivez
Sou alguém que tu procuras
dentro de ti e não vês.

Sou o poeta ferido
alguém que em ti germina
tantas vezes incompreendido
sou bálsamo em tua ferida

Sou a voz que te intimida
sou o ser que tu receias
Sou o sangue que percorre
teu corpo nas tuas veias.

Sou a lágrima escondida
no bater da solidão
Sou alguém que por ti suspira
dentro do teu coração

Sou um livro sempre aberto
que tu lês e não vês nada
Estou longe, estou tão perto
como tu de ser amada.

Sou o poema que lês
poesia sem alma sem vida
A tinta dos teus porquês
que te deixa assim despida

Sou a razão muito forte
que te faz chorar e sorrir
Sou o teu sul e teu norte
no caminho a prosseguir.

Sou em ti um prisioneiro
contigo sou vencedor
Somos dois um só guerreiro
unidos no mesmo amor.

E a chama que em nós arde
nunca se extinga jamais
Que este fogo nunca se apague
Se inflame cada vez mais.

A razão pela tua existência...
 
Sou o ser que tu receias

O valor das palavras sentidas...

 
A soma dos medos, não é igual aos fantasmas que tememos.

Ignorá-los é uma atitude, confrontá-los é uma virtude.

A decisão do momento, impele-nos a reflectir...na humilhação, o descontentamento; força-nos a desistir.

Desistir é a pior das escolhas...impiadosamente a pior das decisões encontradas.

Lutar sim, é uma decisão ininterruptamente obrigatória...só assim poderás clamar vitória.

Nunca digas é impossível...podes ao menos tentar?
 
O valor das palavras sentidas...