https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de Ro_

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Ro_

[Amor Em Gotas]

 
[Amor Em Gotas]
 
 
https://www.4shared.com/mp3/eKYmKYaOei

Gosto de revirar minhas cartas
fazem verter meu sangue em forma de poesia!
Sentir o algodão da linha na minha pele
Costurar meu corpo na vã certeza que meus dias se encerram nas minhas entranhas
com a passagem do tempo deslizando em reflexos de ti
[dentro de mim]

Me faz bem o silêncio agudo
Interrompido apenas pelos caos de um poema antigo
-onde tenho tantos amores que cabem no canto mais vermelho do meu coração.

O amor em gotas
o aroma do chá de morangos
o moinho e o catavento
-giram a vida
enquanto isso, uma borboletinhas cor de cereja
rabisca o dia [com pincéis de luz]
por detrás dos meus olhos

E o céu continua lindo!
Tão lindo que dá vontade de ser nuvem... e ir!...]

Ro Fontana

Obrigada, Kappo querido!
Sua voz deu vida a minha poesia!
Gratidão!
Beijinhos de luz em seu coração que eu tanto gosto...!
 
[Amor Em Gotas]

Tons Azul [Do Teu Céu]

 
Tons Azul [Do Teu Céu]
 
 
Trouxe-me o vento
o toque mágico dos teus dedos
A acarinhar os vértices
dos meus [mais secretos] desejos

Em delicadas mandalas de cristal
Inundo-me do azul palidamente suave
No sorriso da lua
-mar revolto e chuva solta ao vento
Sei-te amor
A acarinhar os meus sonhos
No aconchego das nuvens

O perfume dos lírios
Os papéis de carta
As carícias do teu sorriso
Sussurros fora do tempo
-no perfume doce das pétalas de uma flor

[Teus os meus lábios criam asas]
E eu sei de cor
o sabor dos teus lábios nos meus
quando tu dizes que me ama

Ro Fontana
 
Tons Azul [Do Teu Céu]

[Filtro dos Sonhos]

 
[Filtro dos Sonhos]
 
 
Encanta-me
o suave bailado
incandescente do amanhecer
Onde os sonhos despertam
nas notas do teu perfume

-Cortina de pétalas tecida [em sonhos ] em versos
num poema de amor ao som do sino dos ventos

A saudade bordada de tênues lembranças do teu sorriso
As flores de mel
acariciadas pelo toque da brisa [que soprava doce]
Sorrisos entrelaçando amores
-No aroma de incenso flutuam sonhos e poesias
O sorriso que nasce nos teus olhos
O toque mágico dos teus dedos
O sabor do licor de cerejas
A inspiração em silêncio
que transforma-se em versos para o meu Amor

-uma página em branco [nas carícias dos ventos]

Ro Fontana

-Aos 9 dias maio de 2017.
-[Re-inventando infinitos [meus].]
 
[Filtro dos Sonhos]

Um Amor De Outras Vidas [...]

 
 Um Amor De Outras Vidas [...]
 
 
Tempo de amar
À meia-luz
só posso contar-te dos amores que não [re]conheço!
sobre sonhos
é inútil escreve-los
pois dos que deles vivi, não me interessam mais.

[Entenda]

Gosto do teu olhar desenhando meu sorriso
Da ponta dos teus dedos em minha [delicada] pele fria.
O aroma do chá de hortelã
Um livro de poesia...

[A estação da paixão, a nossa primeira vez]

Na sala
sob a luminária
As margaridas imóveis no vaso de cristal
exalam poesia
A janela entreaberta
O desejo
tece com o vento da varanda
É madrugada fria

Serei tua. Só tua.
Vestida de amor
Como poesia vestida de melodia

Ro Fontana
 
 Um Amor De Outras Vidas [...]

[...Preciso regar as flores do deserto!]

 
[...Preciso regar as flores do deserto!]
 
 
Um algodão doce, uma asa de anjo, uma música
e a fita azul que trouxe o cheiro do amor antigo
lembranças em cinza
e vermelho
[outras até sem cor]

O coração dilacerado e uma infinidade de silêncios
hoje eu preciso regar as flores do deserto!
[e as guardo no silêncio que abraça minha poesia]

Nos meus lábios um beijo frio
na lâmina do teu sorriso

nas cicatrizes antigas
os meus olhos de silêncios
[que sabem tolher poemas]
rasga as pálpebras e sangra a pele
onde o dia cega a escuridão

Arde-me ainda o teu beijo nos lábios que te recuso.
[faz-me falta algo mais que o teu corpo]

p.s
Eu respiro você...

[Você sente______¿ ?]

Por Ro
 
[...Preciso regar as flores do deserto!]

Um Pecado [Poema]

 
 Um Pecado [Poema]
 
 
Um pecado poema
[pintado num diário de sonhos]
Se aninhou nas asas de uma borboleta
e aprendeu voar com as folhas sopradas pela forte brisa ao luar

Fez um buquê de sonhos e ofereceu à vida
Abriu a janela e beijou o sol
Vestiu-se de flores
E encontrou o caminho do meu corpo [perdido no teu]

Com olhar de estrelas no meu céu
Beijou os meu olhos e cantou para mim
Sem pressa, sem sapatos, sem hora para ir embora

[Meu bem querer sagrado em mim]

Me amou assim
Com beijo de chuva
e toque de cetim

Devorou meus extraviados sonhos
Em gotas de calmo orvalho
Com toques sem sentir
[te sinto em mim]
Em noites sem fim como dias assim

Ro Fontana
 
 Um Pecado [Poema]

Não É Poesia [É Dor]

 
Não É Poesia [É Dor]
 
 
Tem dias
... que a saudade dói ainda mais.
Misto de saudade e desespero,
eu olho para o céu e te procuro entre as estrelinhas mais brilhantes...
Quando penso que te encontrei,
aparece outra estrelinha,
um pouco acima,
do lado esquerdo...
-tão saltitante, brilha tanto que chega machucar meu olhar,
enquanto uma lágrima rola dos meus olhos,
eu ainda posso ver as mãos na cintura e ouvir a sua voz indignada dizendo,
[affff Ro eu não acredito que você me confundiu com aquela estrelinha sem sal e sem açúcar...!!!]



[Eu morro de saudade de você...minha Soso]
 
Não É Poesia [É Dor]

[Quem Apagou A Luz Do Céu ___ ¿ ]

 
[Quem Apagou A Luz Do Céu ___ ¿ ]
 
 
[Quem Apagou A Luz Do Céu___¿]

Caminho incontáveis vezes
Em direções opostas.
Analiso a vida sem interesse
[Inacabada como um conto de fadas.]

¿ ?___Andava eu a passear por vidas desconhecidas
Que preenchem o dia de meus sonhos___¿ ?

[Talvez...!]
[Essência de um triste sentir...]

Histórias [ de vidas] escondidas
Que sangram seres fantásticos [nunca descobertos.]
Histórias [de vidas] paralelas à minha
Que infinitas vezes me fizeram sonhar.

Deixo cair suavemente olhares de prata
Mergulho em acolhedores momentos [do passado]
Navego no negro da luz
Perco-me dentro de mim...

Fortes e quentes
[ruidosas e imensas] labaredas
Me envolvem e me absorvem...
Derramando em meus pés pétalas de luar.

p.s
Quem inventou a dor... ao fim de um dia de sol...?!

Por Ro Fontana

ઇઉ
 
[Quem Apagou A Luz Do Céu ___ ¿ ]

[Voar Por Lugares Nunca Alcançados]

 
[Voar Por Lugares Nunca Alcançados]
 
 
[Voar Por Lugares Nunca Alcançados]

Respirar cada partícula do amor
Absorver calmamente a inexplicável essência da felicidade
Conseguir minhas palavras juntar
Para lhe ofertar num leve sussurrar

Ouvir cada ruído, cada sussurro
Sentir teu suspirar
O toque da tua mão
Na minha pele [delicada e fria] pelo doce tom do prazer

Sentir teus dedos passando sem pressa
No contorno de meus lábios
Lendo, sentindo, decifrando
Os segredos mais ousados

[Aflora tantos desejos que tenho medo de morrer]

Inspirar o ar fresco desta madrugada fria
Observo a luz...vejo nitidez
Contudo...não consigo distinguir desejos e vontades
De ilusões e de sonhos

Sonhos? Uhum!
Sonhar os mesmos sonhos
Sonhos nunca sonhados
[Voar por lugares nunca alcançados]

Porque sentir o toque da [tua] pele
Será apenas e só
O sonho de saber o gosto de ti
Na ponta dos meus dedos...

Por Ro Fontana
 
[Voar Por Lugares Nunca Alcançados]

[Do outro lado Do Mar]

 
[Do outro lado Do Mar]
 
 
Há um vôo nos pés da bailarina
Espaços de tempo
A um passo de mim
Há dias que o relógio para e prende o ponteiro no meu coração.
[Do outro lado do mar]
Atentamente escuto o vento e ouço uma infinidade de silêncios!
Se me derramo em palavras
Transbordo em ausências...

.
 
[Do outro lado Do Mar]

Encontrei No Ar A Fragrância Da [Tua Pele]

 
Encontrei No Ar A Fragrância Da [Tua Pele]
 
 
As minhas mãos florescendo entre as tuas
Colorindo a vida com as cores do amor
Cores fortes
[De coisa boa que não desbota]
Num pedaço de céu que parece nem ter cor
Por onde se perdem leves os balões

Regressas sempre
Em palavras que afluem banhadas em saudades
No céu da minha boca

[Palavras vivas em mim]

Hoje sou feita de versos e um pouco de mar
Tenho a pele salgada de palavras desenhadas pelo teu olhar
E usei meu perfume floral
[Milagres de flores num vestido branco]
Degustei as romãs mais doces do que as maçãs que me oferecias

Sorris na distância dos quilômetros que não digo
Atentamente escuto o vento
Que vez ou outra trás o silêncio do teu beijo
Nas lembranças de minha memória
Feito abraço que não cansa que dá o mundo e o sonho e enlaça amor
Enquanto eu voo até mim para chegar antes da explosão dos ventos

[Para sempre...enquanto eu respirar________]

Ro Fontana
 
Encontrei No Ar A Fragrância Da [Tua Pele]

[O Amor Comeu A Minha Paz]

 
[O Amor Comeu A Minha Paz]
 
 
[O Amor Comeu A Minha Paz]

Cerejeiras em flor
Numa imensidão de céu
Sinto as melodias em rascunhos
Onde versos são rimados em silêncio

Sopros de um céu em chuva
Violado pelas memórias invencíveis
[De pele na pele]
De noites que o dia não pode sussurrar

Nesse céu posso voar para onde eu quiser
Sem álamos, sem luas
Enganando meus sonhos [tantos]
Ao cair das estrelas viajo na tua pele de marfim

Uma outra vida, um outro tempo
A fragilidade dos espelhos já não me refletem
Letras de papel recortadas pelo tempo
Onde o amor comeu a [minha] paz

Por Ro
 
[O Amor Comeu A Minha Paz]

[Silêncio Em Cores]

 
[Silêncio Em Cores]
 
 
Dos meus lábios nasce o desejo
Que calmamente
deita-se em meu peito
-Em aromas de pétalas brancas
Como melodia
trazida pela brisa
no silêncio da minha alma
Com os sons e formas
que emoldura o meu viver
e me fazem sonhar

-Dançam livres as libélulas a brincar

No reverso do avesso do teu olhar
Deslizei nos contornos doces dos teus lábios
-A brisa que se dilatou no silêncio
Trouxe o hálito fresco da paixão
De branda maresia
A transparência dos teus sonhos
a caminhar no adentrar do meu corpo
Confessa nos meus lábios os murmúrios e os segredos de amor
E eu adormeço no doce sentir do beijo teu

Ro Fontana
 
[Silêncio Em Cores]

[Do Que Chamei De Amor]

 
[Do Que Chamei De Amor]
 
 
[Do Que Chamei De Amor]

Longínquo e desajeitado
Um verão que não volta mais
Anula em mim a promessa feita
Causando um arrepio [vadio] em minha pele
Empunhando em riste o sabor amargo do silêncio

[Engana-se a solidão!]

Não há desejos, como não há estrelas no céu
Há uma chuva forte a espalhar as aflitas letras de um poema frio
Há uma tempestade na noite que se vestiu de céu
Explodindo cores e chuvas

Calo tudo o que há em mim
Meu sorriso é nostalgia
Sopro minhas dores na neve das páginas em branco
Em limalhas de luz quase derretidas

Chamo teu nome [que aprendi soletrar em silêncio]
Grito com meu olhar as mentiras que gostas de ouvir
Refletidas em vazios espelhos
Por entre paredes feitas de giz

.

Por Ro
 
[Do Que Chamei De Amor]

[Corpos E Almas Num Encaixe Perfeito]

 
[Corpos E Almas Num Encaixe Perfeito]
 
 
[Corpos E Almas Num Encaixe Perfeito]

Perco-me por entre sonhos
[Desfeitos e feitos]
Me encontro no sabor agridoce da esperança
Onde tudo é mais belo aos olhos dos amantes

Em pensamentos loucos e insanos
Sonhos e desejos se misturam
Paira no ar um fascínio
Que me instiga os sentidos

Danço para as estrelas
E vejo o brilho delas em teu olhar
[Me perco em desejos]
Espero insaciável pela [tua] boca
Que percorre e explora o [meu] corpo

O toque da tua alma
O silêncio da tua ausência
Poesias e juras de amor
Que poderiam escrever mil canções
[Me faz te esperar a vida toda!]

p.s
A poesia [minha]
Continua te amando
E [me] fazendo sonhar!

p.s2
As estrelinhas?
Sim! Eu as quero!
[Todas!]

.

Por Ro
 
[Corpos E Almas Num Encaixe Perfeito]

[Uma] Aquarela De Amores!

 
[Uma] Aquarela De Amores!
 
 
Gosto da meia-luz
das noites calmas
quando o vento a bordejar
faceiro e cheiroso,
mostra o caminho por onde vens

Nas asas dos sonhos
Seguirei até o fim por esse
[Nosso caminho]
Em busca de teus olhos de nácar

Flocos de algodão, caminhos repletos de cor
[uma] aquarela de amores!
um mar de horas
que se passou
tão distante
do sopro
que senti antes
do teu beijo...

p.s

Sinto que não sei falar
o Q-Sinto

p.s2

E [Eu] Sinto Tanto...

.

Por Ro
 
[Uma] Aquarela De Amores!

[Lágrima Que Dói]

 
[Lágrima Que Dói]
 
 
Sopros de um céu em chuva
Um amontoado de palavras soltas no espaço
Vento frio sob as asas de um anjo
-Vasculho momentos
na nostalgia das [escuras e longas] noites
Procuro no céu a estrela mais doce
lanço ao ar e um beijo e espero que o jogue de volta
para suavizar a minha dor e anestesiar a minha alma.

p.s
[ ]
 
[Lágrima Que Dói]

[Palavras Que Se Soltam Devagar Para Cair Em Outra Boca]

 
[Palavras Que Se Soltam Devagar Para Cair Em Outra Boca]
 
 
[Palavras Que Se Soltam Devagar Para Cair Em Outra Boca]

Há dias assim
Com tons leves e cores frescas
Dias em que não consigo dar sentido às coisas
Antes que elas tenham algum

Há um silêncio súbito [sem ti]
Sem álamos, sem luas...

Há um soprar [quase frenético] de vento
Que torna opaca a tua distância
E se transforma em bruma
Em partículas [de nadas] na lembrança

Pinto uma tela azul
Pendurada no alicerce das palavras que segredam suspiros
Fantasiados em folhas de algodão
[Palavras que se soltam devagar para cair em outra boca]

Mas a cor da minha voz [a preto e branco]
Se perde entre sombras e águas mornas de luz
Por entre linhas inacabadas onde teus olhos me prendem
[E os meus se perdem em ti]

Por Ro Fontana
 
[Palavras Que Se Soltam Devagar Para Cair Em Outra Boca]

[Pó De Borboleta Sem Cor]

 
[Pó De Borboleta Sem Cor]
 
 
Por hora eu sinto dor.
Sinto que viro pó.
[Pó de borboleta sem cor.]

ઇઉ
 
[Pó De Borboleta Sem Cor]

[Como Adormecer Sem Antes Teus Olhos Amar?]

 
 [Como Adormecer Sem Antes Teus Olhos Amar?]
 
 
[Como Adormecer Sem Antes Teus Olhos Amar?]

Resquícios de palavras soltas e intercaladas de suspiros
Sussurras-me doces palavras em ordem desordenada
Hino ao amor entoado a cada gesto inacabado
Lembras-me em noites que o dia não permitia sonhar

[Resisto sonos por noites sem sonhar]

Um traço de luz, uma lágrima, e eu
A vida ao sabor do tempo em que as cerejas eram o vermelho da boca
[Espanto a dor]
Sempre te reconheci pelo reflexo de lua
Porque esqueço de respirar cada vez que me beijas

[Te amo em cascatas de notas musicais]

Caminho descalça de mãos dadas com o amor para onde o vento leva as promessas
Com o toque suave das tuas mãos
Nos meus longos cabelos negros e na minha delicada pele fria
A meia luz do luar a chuva cai pelo meu corpo e eu desejo só te amar

[Lábios puros de aromas de pele na pele]

Amor sereno e [in]tranquilo como o rio de água doce que corre para o mar
Danço ao som do eclipse lunar, sob o silêncio cúmplice do teu olhar
Nos mistérios que [só] se decifram por dentro das tuas mãos
Ao sabor [da minha] pele adormecida

.

Por Ro
 
 [Como Adormecer Sem Antes Teus Olhos Amar?]



[ ♥______omnia vincit amor ¿ ? ]