O sonho de Biba

Data 05/01/2010 21:50:28 | Tópico: Textos -> Outros

Era noite de lua cheia. Biba o esquilo lenhador, decidiu deixar a sua casota da árvore e ir ver o planeta luminoso mais de perto. Como tudo era tão bonito e romântico á claridade da lua. Um jovem casal de Cisnes, que namoram ao fundo do lago, chamou a atenção do esquilo.

Por breves instantes, veio-lhe á memória os seus tempos de escola, quando andava enamorado da sua colega, uma bonita castora de olhos grandes, rasgados e pestanudos. A recordação, fez soltar dos seus olhitos, uma pequena lágrima, que se alojou no seu focinho. Nesse tempo, o Mocho Sabichão, era o professor da escola, pensou ele.

Biba nunca esqueceu a sua paixão por Hortense e guardava consigo um sonho:
Poder reencontrá-la de novo. Mas isso era pouco provável, senão mesmo quase de todo impossível. A sua amiga antes de terminar a escola, foi morar para parte incerta e ninguém sabe ao certo, onde se encontra. Uma coruja que voava naquele momento, piou e o esquilo teve um pensamento:

Porque não ir visitar o seu antigo professor, o Mocho Sabichão? Talvez quem sabe, se ele não saberá qualquer coisa sobre o paradeiro da sua antiga amiga de infância? Afinal tinha sido o professor de ambos.
Entusiasmado pela ideia, lá seguiu encantado da vida, tendo a sua silhueta por companhia.
Não foi muito difícil de encontrar o Mocho Sabichão. Estava dormitando na velha árvore dos seus antepassados.

-Boa noite Professor! - Respondeu Biba, reparando que o Mocho tinha um dos seus olhos fechados.

-Queres matar-me de susto rapaz?

– Peço desculpa, mas como a noite está muito bonita, resolvi fazer-lhe uma visita e se me permitir, também uma pergunta. O Mocho Sabichão, ficava sempre muito contente, quando alguém lhe solicitava conselhos ou mesmo fazia perguntas. Depois de ouvir com interesse Biba, o professor foi respondendo:

-Recordo-me desse tempo rapaz! A moça chamava-se Hortense e era irmã do Castor Horácio. Foi pena que tivesse que abandonar a Floresta conjuntamente com os seus pais na altura. Segundo se soube, foram á procura de uma vida melhor.
O irmão de Hortense, Horácio pelos vistos, não lhe agradou a ideia de deixar a Floresta Encantada e ir também com os seus pais. Até mesmo o irmão, não sabe o paradeiro neste momento dos seus pais, é por isso que anda sempre muito triste e abatido. Pobre do rapaz!
-Tenho imensa pena de não te poder ajudar, Biba, mas não sei o que mais te dizer- Respondeu o velho mocho.

Dito isto, uma coruja cusca que ouvia a conversa, decidiu meter-se na conversa:

- Porque não procuram ao Castor Henrique, que é o carteiro aqui da Floresta, se sabe o endereço da Castora Hortense, ou dos seus pais? Um destes dias, andava eu a cuscar por aquelas bandas e ouvi o carteiro Henrique falar dessa família, sinal que deve saber de alguma coisa, não é verdade?

O Professor não gostou nada que a coruja se tivesse intrometido na conversa dos dois, mas acabou por reconhecer, que a bisbilhotice daquela ave, ajudou a procurar pistas sobre o assunto. Também ele se mostrou interessado em saber mais qualquer coisa sobre Hortense pelo que prometeu, no dia seguinte acompanhar o esquilo Biba, na conversa a ter com o carteiro. Afinal de contas, o Mocho confessou ter grande interesse e simpatia pela sua ex. aluna.

A bisbilhoteira da coruja tinha razão! No dia seguinte, quando Biba e o Professor falaram com Henrique o carteiro, ficaram a saber, que Hortense estava na Austrália com os seus pais e muito em breve iria regressar á Floresta Encantada. Os pais de Hortense tinham escrito ao irmão desta a contar a novidade. A floresta onde procuraram organizar as suas vidas, não lhes oferecia qualquer segurança, nem qualquer futuro, estava a ser devastada pelo fogo.

A maioria dos animais tiveram de procurar abrigo noutros lugares, para fugir á propagação dos fogos. Além disso, os pais de Hortense, tinham um motivo forte para regressar á sua terra natal; ansiedade e matar saudades do seu filho Horácio.
Biba com certeza também estava muito feliz. Afinal tinha um sonho, que muito em breve iria ser concretizado.

GABRIEL REIS


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=113798