Resta-me o silêncio

Data 23/07/2007 17:53:35 | Tópico: Sonetos

Resta-me o silêncio atroz,
Que me mata, dilacera, atrofia.
Não mais ouvirei a tua voz,
Acabou a minha poesia.

Ficaram as memórias, recordações
Antes recheadas de esperança.
Dos nossos apaixonados corações
Ficou apenas a triste lembrança.

Resta-me o silêncio, cruel amigo,
A quem entrego de vez o coração
Parco em palavras e alegria.

Não esqueço que fui feliz contigo
Mas não passaste de uma ilusão,
Doce quimera, triste utopia.


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=12753