Inebriado Momento

Data 08/05/2010 14:55:00 | Tópico: Poemas

Abro mais uma vez
A porta desta cela que me propõe
Um sentimento de sossego e calmaria
Entro e deparo-me
Perdido nesta escuridão
Que se propaga neste corredor
Anestesiado por uma doença familiar
Vejo sombras e formas
Ouço suspiros e brisas
E esta escuridão condensa-se cada vez mais
Sobre mim e este corredor
Tropeço e esbarro-me contra
Objectos de certa forma conhecidos
Este negrume que insiste
E consiste em pairar em meu redor
Com certeza não me irá levar a bom porto
A minha visão torna-se turva
Não devido ao que me cerca
Mas sim devido a este atordoamento na mente
E no meio desta parafernália
Interior e exterior
Ouço uma voz bastante reconhecível
Voz que me conforta algures nesta perdição
E surge uma luz incandescente
Que me ilumina sobre esta confusão
Olho em meu redor
E simplesmente não acredito...



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=131783