dores perdiadas

Data 05/09/2010 18:57:10 | Tópico: Poemas

sangra minh'alma nesta dor deveras forte,

bailam os escârnios da atitude insana.

no sangue que esvae a vida.presenteia a morte,

ofusca a madrugada que finda a noite;



foi da palavra tola incoerente ardil,

eis que ao dia que surge no amor reclama,

corpo cambaleia inerte quase senil,

ao carrasco de meu ato , meu pesar aceite.


rezo uma lástima.preâmbulo perdido.

o sangue jà escorre ao chão,no pó corroído,

vai ao lixo que foi minha vida;incauta.

anjos se afastam,o demônio assalta.


tripurdiam o espírito ardor causticante,

não há chôro solitário e infame,

Deus já não está aqui,nem amor que clame,

pois fôra este mesmo amor,derradeiro e
sufocante.






Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=149608