NAUFRÁGIO

Data 14/09/2010 19:26:18 | Tópico: Poemas



NAUFRÁGIO

Chama forjada em fornalha de lágrimas,
Serpenteada, encimada à costa do delírio...
Sorrio descarnado, contradito
Respiro. Grito. Suspensão em mágoas
Faíscas das chamas aguadas de meu pavio

Ancorei tão longe esta maldita nau pirata
Distante tanto quanto pude deixar errante
O desplante corsário de minh’alma alucinada
Eminência parda, tonitruante, equivocada...
Almeja raptar-me a razão de ser-te relutante...

Este rio seco de sofreguidão desaguou
Ao deserto salgado de um mar em estio
Que a indiferente sombra de teus olhos
Usou de descanso nas bordas dos cílios
Emborcando meus desvarios nos teus abrolhos...

O balbuciar de teus lábios em enlevo,
No fundo, procura só um lugar,
Um farol aceso no oceano, bem ao meio
Que lance em luz, mensagens erráticas ao mar
Do menear sintomático de teus pensares relhos

Teu coração embala-os dos róseos dos seios,
Lhes expulsa aos veios de meneios de ar...
A correnteza chovendo para cá, a mim os traz..
Sou eu, ardoroso de amar, quem morre ao te achar,
Ao escutar-te os anseios nos ouvidos sobrecheios...



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=150136