Ansiedade

Data 28/03/2011 14:43:54 | Tópico: Poemas -> Introspecção

Ambiciono viandar para longe deste filme animado
Encarcero-me em manigâncias de efeitos especiais
Que me assaltam como espectadora amante
Em que as três dimensões não passam de fantasias
Arrastando-me para dentro de um ecrã gigante

Quero planar noutro tempo, noutro lugar
Para que não sinta em desconcerto
Este aperto de dor no meu peito neste mundo demente
O peso bárbaro e acutilante nas minhas costas
Uma asfixia que me trucida lentamente

Num retiro secreto e sereno de silêncios incontornáveis
A lógica anuncia-me que é em tempos de crise
Que se testam as pontes do querer
E elas tombam em confronto com fragilidades
Pois só na aparência transmitem solidez
São como as peças de dominó
Que encostadas umas às outras caem ao mínimo toque
Arrastando tudo com elas e nada restará
O senso comum é dono de uma verdade
Há que saber desfrutar o sol que faz hoje
Pois certo é que amanhã o temporal voltará!



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=181162