Hemoptise

Data 30/04/2012 15:56:13 | Tópico: Poemas -> Sociais



Acabo de sentir a presença de outros seres
Estão por toda parte, nas células,
no muco, na pele, nos cílios,
fungos, poeiras, vírus, bacilos

O meu mundo está dividido
com estas minúsculas criaturas
e, no entanto ainda há guerras
de separação, de destruição,

Isto, sem olhar
teu próprio interior
Enxerga-te!

Entram antígenos invasores de corpos
em luta contra nossos exércitos
de anticorpos, linfócitos,
leucócitos ou fibroblastos

São nossos guardiões,
cada qual dando a própria vida
para impedir que a agressão ocorra
enquanto nós procuramos desperdiçar

Eles estão tomando conta do pedaço
sem qualquer sinal, adentraram
e nem posso me defender do perigo
só faltam expulsar-me deste corpo...

Oh, mundo pequeno, em cada batalha
a tosse pode me abrir uma caverna
e crateras que podem tirar-me a vida
em um único jarro de sangue:
HEMOPTISE!

Somos tão frágeis em nossas dimensões
que seres minúsculos nos devoram
fazem conosco o que fazemos em maior grau
com nossos próprios semelhantes...

AjAraujo, o poeta humanista, recordações do poeta ao se deparar pela primeira vez com um paciente com tísica, poema escrito em setembro de 1976.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=220799