Minha própria Pasárgada*

Data 08/08/2013 01:54:48 | Tópico: Poemas

Vou-me embora para Pasárgada
Lá hipocrisia e alienação não existem
Não existe pobreza
Nem discriminação
Violência
Ignorância

Vou-me embora para Pasárgada
Lá todos se respeitam e de bem convivem
Todos amadurecem após uma fraqueza
Concordam com a política de Platão
Não supervalorizam a aparência
E para viver a vida têm ânsia

Vou-me embora para Pasárgada
Lá o conhecimento é considerado um valor,
[não desnecessário
Lá a natureza é considerada uma bênção
É negada a ambição, menos a do amor
É admirado o diferente
Preservado o antigo

Vou-me embora para Pasárgada
Lá ninguém tem medo para se esconder no armário
Lá as pessoas cantarolam e pulam em vão
Recebe ajuda aquele que sente dor
Todos se sentem e são independentes
E se tratam como amigos

Não é perfeito, mas não se precisa de perfeito, quando se acha
[o ideal
E deste que este seja Pasárgada, é para lá que eu vou.

*Referência ao poema de Manuel Bandeira, em que Pasárgada
é o lugar dos seus sonhos e suas fantasias.

-Alice in not Wonderland


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=253328