DO LAÇO ENTRE O SILÊNCIO E A AMPULHETA AO SOM DAS CORES DA CANETA: um pequeno conto de amor

Data 27/08/2013 04:06:23 | Tópico: Poemas

Contida em papéis escritos e amarelados {de tanto serem manipulados} contando um tempo em que a lua já não era nova mais, mas ainda não estava cheia de tudo, havia uma estória entre um sorriso cego e uma tristeza surda-muda que não se continham em querer se achar. Tão intensa era a vontade dos dois de se encontrarem, que o sorriso virou tristeza, e a tristeza virou sorriso...

Mas mais era sempre preciso...

Dizia a tristeza cega ao sorriso surdo-mudo:
- Estou triste, mas ainda não consigo te ver chorar ou rir.

Dizia o sorriso surdo-mudo à tristeza cega:
- Estou feliz, mas ainda não consigo te ouvir rir ou chorar.

Era tão precioso o amor entre os dois, que eles resolveram jogar o sorriso e a tristeza fora, bem longe, embora... Então trocaram seus olhos e ouvidos... E todas as suas cores-dores nos corredores dos sentidos. E todos os seus suores-sons. E todos os seus tons, bons ou ruins... Trocaram seus prazeres e seus ruídos: seus gemidos, seus silêncios.

E viram bem e ouviram bem a tristeza e o sorriso... E o chorar e o rir {precisos na imprecisão do tempo} no tempo um do outro. Como alguém que encontra uma supernova cadente no céu...

Então eles amassaram aqueles papéis escritos e amarelados contendo luas já passadas, e os jogaram na gaveta da memória de um cometa sem rumo. E nele viajaram até a constelação do nada, sem papéis; somente sentimentos e sentidos. E viveram vendo e ouvindo tudo como nunca.


Mas mais sempre era preciso...
Origem da postagem no meu blog: http://sarahkundalini.blogspot.com.br ... encio-e-ampulheta-ao.html



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=254290