Acho que somos

Data 06/04/2014 23:53:10 | Tópico: Poemas

Acho que somos a mecha
de um lampião sempre aceso
pássaros que ficaram presos
num cárcere de reminiscências,
acho que somos uma flecha
a proteger um amor indefeso
um sentimento tão coeso
que nunca aceitou condolências.

Acho que somos uma cidadela
edificada numa impossibilidade
que protegeu a nossa cumplicidade
em tempos de batalhas perdidas,
acho que somos algumas sequelas
que fizeram da nossa saudade
a maior de todas as tempestades
que já enfrentamos na vida.

Acho que somos um segredo
que cansou de ser guardado
como se fosse um pecado
sem nenhuma penitência,
acho que somos um brinquedo
que nunca cansou de ser brincado
que se alegra ao ser usado
não se importando com as aparências.

Acho que somos o diferente e o igual
que se acharam por necessidade
achando assim suas próprias verdades
quando a vida nos questionou,
acho que tudo parece tão paradoxal
mas pode haver felicidade
até mesmo na infelicidade
depois que a vida nos juntou.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=267338