Comemorar a vida

Data 11/05/2015 12:14:40 | Tópico: Prosas Poéticas

– Fiquei deveras hoje

cativo ao sul da mesma manhã

onde nos embrenhámos solícitos

fraternos

compelidos na plena formosura

dedicada,recíproca

por tantas meditações acuradas

na génese esbelta onde pernoitámos

em promiscuidades cúmplices

maturadas pela tua meiguíce


– O que em mim predomina

será um gomo de vida mílimetricamente

saudado em teus assédios

será apenas a beleza

que o tempo de enxurrada

nos faz viver,

tão terna e desesperadamente


– O que não nego são

preces que decorei ao sabor

temporal da nossa fiel adoração

como recompensa final

onde povoamos este triste tédio

com palavras logradas no liberto

perdão que oblitera de vez

cada pecado rasurado em

páginas implacáveis decifradas

em tanto amor planejado

envelhecido pelas conquistas onde

se fazem despertar até os silêncios

do teu sublime e tão fatídico assédio


– Só quero que me restituas

a esperança

que me refrigeres o desconsolo

onde eclodem minhas visões

lavradas em chamas vivas

abrasadas assim

onde simplesmente nos excedemos

trágicos e sem tempo

de por cobro ao tempo


– Assim nos extinguimos sem repúdios

acometidos, insurrectos

pressentindo o fremir ténue

em cada onda em silêncios

cada momento velado em despedida

sem mais homenagens que se

elevem no pódio da vida


– Vivamos sem mais lutos itinerantes

convertamos esta poesia

em despojos tão lentamente ofertados

em episódios banhados de amor

que me fazem compartilhar

o tempo e a eternidade

ecoar,bramindo, entoando,

assim lentamente nos aconchegando

tão vivos de vida comemorando

FC


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=292795