Conceitos sobre a infinita beleza do amor!

Data 31/05/2015 15:05:00 | Tópico: Poemas -> Esperança

O amor puro, sincero e verdadeiro,
é mais que tudo o que aparentemente vemos,
é muito mais que tudo aquilo que sentimos,
e vai mais além de tudo aquilo em que acreditamos.
A beleza do verdadeiro amor,
vai muito para além da cortesia das palavras ditas,
sejam elas ou não, o canto dos eruditos.
Vai muito mais além, da dor e do sofrimento …
Quando ama, dá-se por inteiro
não aceita a divisão,
pois não se tratam de partilhas.
A dignidade está nos seus lombos.
Não cruza os braços, age sempre.
Sabe respeitar, convenientemente.
Não atira com a toalha para o chão, aceita os desafios.
Não bate com a porta na cara, age sempre de cabeça fria.
Enfrenta os problemas é encorajador,
aceita os factos, não é usurpador,
age de imediato e procura soluciona-los.
É disciplinado é cortês é educado.
Não pactua com a mentira, enoja-se dela, rejeita-a, vomita-a.
É compreensivo, aceita sempre as regras do jogo.
Não destrói, constrói, edifica sabiamente,
não procura os seus interesses,
mas partilha-os convenientemente.
Sabe quando se deve remeter ao silêncio.
Espera cautelosamente antes de tomar qualquer decisão.
Não é desordeiro, antes inimigo das desavenças
Não pactua com a traição, rejeita-a
Não se dá com a injustiça, não se afeiçoa ao mal.
A inveja não faz parte dos seus planos.
É humilde, aceita viver com aquilo que tem.
É simpático é cortês e nunca indisciplinado.
Não é presunçoso, mas modesto nas suas decisões.
Não é rancoroso, mas sim cordial, sincero e verdadeiro.
Não é orgulhoso, dá sempre, mesmo que nada receba em troca.

E porque o amor é tudo isto e muito mais…

Se apenas nos deleitamos,
para ver a superficialidade de nossos apetites vorazes,
estamos então de todo perdidos,
caímos a pique, caímos vencidos,
caímos no descrédito das nossas convicções.
Acabamos sucumbindo perante a nossa ingenuidade,
a nossa sanidade mental, estará em jogo,
estaremos sucumbindo perante a nossa estupidez,
emergindo perante a nossa insensatez.
A imoralidade consumir-nos-á, matar-nos-á,
desonraremos o código sagrado,
desonramos a vida, desonramos o santo matrimónio,
e se além de tudo isto…desonramos o amor;
melhor então; nos seria beijar um túmulo.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=293756