MAIS UMA VEZ.

Data 09/10/2015 20:19:20 | Tópico: Sonetos


“A lisura em nossos atos, suplantam a todas as demais comendas que possamos objetivarmos em nossa passagem pala experiência materialista”
MJ.

São as missivas desta vida em desencantos,
Quando pranto nos assedia o amor quem dera,
Gastamos a vida a construirmos um acalanto,
O nosso canto é tomado de outra atmosfera.

Nossos desejos são soberanos nada francos,
E se quedam pelos conceitos das entranhas,
Ao dar errado o pobre coração se desespera,
Já é tarde e mais um amante foi ao pranto.

A natureza não deu retorno ao que se faz,
E como vivermos com as dores do abandono,
Então sentimos a sensação do cão sem dono.

Como esquecer-te me invades sem permissão,
Pegas minha mão me promete um novo enredo,
E mais uma vez enganas o meu velho coração.


Enviado por Miguel Jacó em 09/10/2015
Código do texto: T5409538
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=300334