Nódoas e sinais

Data 21/06/2016 16:28:59 | Tópico: Poemas



Um poema de Miqué Di L'Atrólloggus


Acessando o conjunto das chaves,
exibindo marcas de nascença,
serão os tempos dos desejos,
pensamentos tantos,
contíguos sonhos e sinais
confinados em cinza.
.
.
.

[Como fosse
profecia ...
afoga poesia
em orações
silenciosas,
expiando
de joelhos
a
solidão]
.
.
.

As cem mil moedas
da herança maldita,
não seriam suficientes
para afastar imprecações.
.
.
.

[Não pode
comprar
o céu,
nem
um
novo
amanhecer
na
sua vida.]
.
.
.

Afastar as coincidências,
o tempo amainando a execração,
costurando conchavos,
sob a prata do luar,
com sinos e amor.


.

...
[Não haverá
como apagar
da memória
os
laivos
das
sensações,
o sabor
de um beijo furtivo,
o calor no sangue.]


Volvendo ao ponto de partida,
restando indeléveis nos ombros,
os signos dos ancestrais,
nódoas e sinais,
nos pensamentos confinados.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=310832