Filhos da Terra

Data 28/07/2016 18:12:29 | Tópico: Poemas

O que eu sou e o que tenho
Devo a terra
Sua história e sua dor
Em minhas veias
O pó que insiste em se negar
A ser estrela
Até minha chama apagar
Poeira

Somos os filhos nutridos
Do seu leite
Mas sempre ingratos por achar
Quem alimente
A mão sedenta e poderosa
Que destroça
O colo que o abraçar
Um ventre

Eu sou o filho amado
Que castiga
O chicote que açoitar
Meu semelhante
A nobreza que acomete
Minha ganância
Também a honra de aprender
Da queda

Sou mais daquilo que cativo
E não possuo
Dependente do afago
Que me nego
Comprando paz e alegria
Sem remédio
Do vazio que me traz
Ter tudo

E pra curar minha cicatriz
Eu volto a terra
E já descalço me permito
Ser criança
Me despindo da armadura
De ser forte
E ver que tudo é só
Poeira.


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=312273