Feito extraordinário em circunstâncias desfavoráveis

Data 19/08/2016 15:13:37 | Tópico: Crónicas



Fatalmente teria que ser mesmo assim, até que um dia, quem sabe, poderia firma-se e deixar de ser como folha ao vento. À mercê dos caprichos e movimentos mesquinhos das frondes teimosas em não ceder. Além do que tudo neste mundo custa dinheiro e para cultivar flores sempre será mais que necessário encher um vaso de terra.
Mas... c'est la vie, como diriam os franceses, sem ligar para o que dizem os alemães obcecados pelo número sete. Uma planta na floreira pode morrer e brotar inúmeras vezes diante da estranha fúria do ataque das cochonilhas. Doença estranha essa. Causa acessos de fúria e grande angústia diante da visão sobre o muro dos resultados obtidos pela menina da vizinha. Criada a leite de cabra, diga-se de passagem. Ou en passant, como diriam aqueles mesmos.

Por falar nisso, morre-se sem queixas e rindo mais alto quando se tem certeza que a lâmina da guilhotina está bem afiada. Quanto mais algo assim como agradar ou enganar provocando ciúmes tanto em quem morre quanto em quem assiste. Muitos espectadores até pulam de alegria e certamente a maioria dos bingos oferece petiscos variados durante os sorteios. Com direito a mitigar a sede - não a de justiça mas, aquela que aparece logo depois de uma lauta salada de rabanetes.

Alguns ficam curiosos querendo imaginar como os consumidores podem duvidar de um comerciante honesto, caírem de bêbados enquanto flutuam no Mar Morto. Interferindo, é claro. Metendo o nariz em qualquer coisa como frequentemente em nossas vidas ocorre. Até que a morte venha e os banheiros públicos sejam limpos pelo menos uma vez ao dia. Sem contar os feriados e dias santos de guarda. Nem que seja necessário entoar um hino nacional a cada morrer.

Neste ponto, peço perdão por todo o tempo gasto. Não parece normal, por isso é que sempre digo que mesmo depois de morto o autor, o que está errado não deixará de ser aquilo mesmo indefinidamente. Sem oportunidade de ser defenestrado, colocado para fora da vida e ser obrigado a andar sem rumo. O que não deixa de ser extraordinário diante das circunstancias desfavoráveis para o caso em verve pelos últimos séculos e um monte de anos de lambujem.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=313157