Nostalgia e inocência

Data 12/10/2016 14:55:45 | Tópico: Poemas

A pequenez do meu ser ainda esbarra
Em memórias simples que eu ainda lembro:
Acordar para ir à escola,
Comer porcarias, assistir TV e jogar bola,
Imaginar o mundo lá fora,
O afeto aqui e agora,
Sem antes ou depois de chegar a hora.

Adolescência foi uma demência
Um tiro no pé, e seja o que Deus quiser
A gente descobre que o mundo,
Não é mais aquele casulo
E que as pessoas encantadas,
Tornam-se conto de fadas.

Nostalgia e inocência,
Aquela vontade de voltar para o berço
quando o mundo aperta: eu ainda sinto.
Aquela esperança que se cria no ser humano, sem analisar racionalmente o contexto: eu ainda tenho.
Aquele mundo de magia e utopia: eu ainda esbarro.
Aquelas perguntas que se faz e ninguém explica: eu ainda faço!

É por isto que afirmo que ainda tenho uma criança fundida na minha alma,
Ana bobona e brincalhona que insiste em acreditar em gratidão.

E você aonde colocou sua infância?

Encaixotada como seus brinquedos?

Será que ela não pode e deve fazer parte de nós agora, mesmo velhos e rabugentos como a sociedade vigora?

Feliz dia das crianças meu caro, um salve a um dos "eus" que existe (Lembrando Fernando Pessoa) em mim, em nós, e pulsa, clamando por alegria e esperança!


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=315178