Devaneio do Inverno

Data 25/07/2017 23:46:22 | Tópico: Poemas

Ao fragor juvenil da primavera
Nascente flor indulta o inverno findo
Que agonizante ao leito em fria espera
Entrega-lhe o “cetro rei” assim pedindo:

-Vem ave errante em migratório vôo
Vem colorir enfim meu desatino
No reboar-te à porta em vento atrôo
Depositando em tuas asas meu destino

-À dobra do tempo lança-me afora
Pro róseo delírio d’um desfazer ungido
Em seiva e grapa de cereja e amora
Aquecendo-me o sono em jardim florido

-Arranca da nobreza vossa o vinho
E o jorre das douras taças de teu colo
No ressequido regaço já tão daninho
Desse gélido agonizar de infindo solo!




Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=326277