POEMAS APRISIONADOS

Data 19/08/2017 07:30:33 | Tópico: Poemas


Nunca pensei que, um dia,
tiraria um poema a ferro e fogo
dos grilhões aos que os anjos
os prenderam para mim.

Meus primeiros poemas
saltavam amorosamente
da minha alma, do meu pensamento,
e a minha inspiração
eram abundantes de palavras
construídas no Bem
e para o Bem.

Então,
veio você....
Vetor das minhas alegrias.
Veio você!!!!
cujo nome não consigo soletrar.
Roubou de mim, a inspiração,
os poemas felizes,
e a alma livre.

Disse-me que iria fazer
uma “redistribuição de ideias”
entre as almas que não tinham
inspiração.

Pois bem....
Hoje, eu não mais me ilumino com um poema,
mas sofro palavras que jamais eram minhas.

E, dos grilhões astrais,
a ferro e fogo,
consigo apenas um suspiro
para dizer, cansadamente,
Que todos são felizes
com seus poemas e inspirações,
Menos a minha alma,
que chora a dor
de perder a sua essência,
que era a de ser poeta
do Bem, do Amor e da Alegria.

Hoje.... choro....
A escravidão dos meus poemas
aprisionados,
em almas que talvez
nem os queiram materializar.

Saleti Hartmann
Professora e Poetisa
Cândido Godói-RS



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=327098