Carta para meu amigo Zoso (3)

Data 23/08/2017 13:04:00 | Tópico: Textos



P....., 23 de agosto de 2017.

Caro amigo Zoso,

Muito feliz por mais uma carta sua.
Até porque esta chegou num momento delicado, onde meu coração chora.
A morte do meu pai tem doído, mas sei que aos poucos vai passar...

Que bom que recebeu gente da minha terrinha "Brasília ", lá não é só referência de políticos corruptos, mas a mistura de muita gente trabalhadora que veio formar nossa capital, gente que registra o belo "traço do arquiteto ".
Hoje meu olhar também registra o traço da curva dos rios, cachoeiras e o azul das araras cortando o céu, traços do melhor "Arquiteto "! Tenho saudades de Brasília...

Ontem fui naquele "nosso" café, que pena você não poder ter vindo, estava mais calmo, menos gente, nossa mesa estava desocupada pra minha sorte, você me conhece e sabe que até nos restaurantes eu tenho usucapião de certos lugares. Pedi o café com leite e fiquei observando seres humanos que pelos meus olhos passavam. A vida é mesmo breve meu amigo, precisamos ser mais morosos, mais suaves com o tempo...
Por isso carecemos tomar mais um chá ou café sem pressa, do nosso jeito de há tantos anos, afinal tens me aturado já por muitos anos...

Da próxima vez que vier, não esqueça meus livros e cds , sou muito ciumenta e já estava pra fazer "busca e apreensão ". Você só devolveu dois, ainda bem! Você sabe o quanto gosto da Corinne e da Billie Holiday! Mas nisso que dá amigos de longa data, chegam... entram sem bater... se apossam das nossas coisas... da nossa vida... uns folgados!

Descobri um lugar ótimo aqui na praia, podemos tomar uma garrafa de "Toro loco" na areia, no fim da tarde, tem um por de sol fantástico, igual fazíamos às margens do Sena, lá em Paris lembra? E você chegava com aquele pão delicioso e eu sempre com a garrafa de vinho! Bons tempos...nem a chuva fina ou o frio atrapalhava, e no verão então! Nos guiávamos pela luz do sol, e dava Nove horas e o dia tão claro! E você dizia: vamos esperar o sol se por aí vamos embora...Veja como ainda está cedo! E lá ia eu me levando por sua conversa mole e acaba chegando em casa pelos 10 da noite!

Zoso, obrigada! A cada dia descubro que amigos existem! Obrigada por segurar minha mão ao atravessar a "rua", tem tanta gente querendo isso é não tem!
Fica com meu abraço. Dê lembranças aos seus meninos por mim! Um "Chêro"!

Branca (Claudia)



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=327264