Nada

Data 10/04/2018 17:58:56 | Tópico: Poemas -> Sombrios

Nada, eu não sinto nada
Não tente me compreender
Viva sua vida encantada,
Eu não quero conversar
Eu não quero me enturmar
Tudo o que desejo é me matar,
Mas, nunca pensei que seria tão difícil
Sempre alguém surgi para me parar
O que posso fazer para deixar de existir?
Não vejo beleza na vida, não gosto da natureza
Não gosto da minha família, da minha rotina
Então me deixem ir, depois riam de mim
Estou carregando um peso a tanto tempo,
Que já esqueci dos meus erros.

Não me importo com o futuro
Eu fiquei preso em um péssimo passado
Evito ao máximo a luz, vivo no escuro
Sigo um relógio que está sempre atrasado
De tanto me isolar, eu virei um casulo
Acabei juntando o útil ao inevitável
Agora todos desfilam com um anel,
Até mesmo Saturno, quero ir logo para o céu
Talvez lá eu encontre a tão cobiçada paz,
Talvez lá eu não seja perseguido pelo capataz,
Talvez lá eu não sofra nunca mais
Não desejo amor, não desejo um outro calor
Quero me libertar, deixar de ser um sofredor
Fugir da garra do tempo, do usurpador.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=334962