O CORAÇÃO DA PEDRA

Data 22/07/2018 21:35:38 | Tópico: Poemas

Apesar de o homem ser tanto quanto possível,
diferente da pedra, o seu centro mais íntimo é,
de uma maneira estranha e muito especial,
bastante semelhante a ela (talvez porque
a pedra simbolize a existência pura,
estando o mais possível distanciada das emoções,
sentimentos, fantasias e do pensamento discursivo
do nosso ego consciente).

Carl G. Jung


Olho para o coração da pedra
e tento vislumbrar
o que ela traz de outras eras.

Olho para a pedra com simpatia
o que temos em comum:
minerais nos meus ossos
que se temporizam
e se dissolvem
sob as chuvas dos meus anos.

Ela resiste quase uma eternidade
deve se gabar
diante de minha brevidade.

E nós tão humanos
enquanto elas tão pedras
às vezes os reinos
não se encontram.
Os eretos, ilusoriamente geométricos
e elas, as curvas, disformes e estáticas.

Olho para o coração da pedra
e tento vislumbrar
o que ela traz de outras eras
até o meu tempo.

O meu tempo é sopro
enquanto reino, crente
que sou rei
ignorando que no final
dos meus dias
ela olhará com indiferença
pensando que em sete mil anos
é apenas mais um orgânico
que viu nascer, crescer, viver
e depois retornar ao reino mineral.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=337830