DEIXO AQUI O MEU EPITÁFIO

Data 05/08/2018 13:59:48 | Tópico: Textos

MODELO POÉTICO, "QUADRA"

Deixo aqui o meu epitáfio
quem puder cole na tumba
esta vida foi um desastre
mas a vindoura será fecunda.

Quem olha mas não enxerga
não padece as amarguras
de quem não possui as vistas
e leva a vida as escuras.

Quando Miguel de Cervantes
escreveu o Dom quixote
não mediu atenuantes
confrontou vidas e mortes.

Quem pintou a Monalisa
não se ateve a beleza
mas exalou a sutileza
deste quadro impressionante.

Tenho brincado bastante
com pensamentos vazios
a minha alma está no cio
o meu espírito é vacilante.

Quando o tempo é questionado
não nos responde perguntas
manda buscarmos no passado
os nossos atuais assuntos.

Nas orações de Domingo
sejamos objetivos
rogando a Deus que nos seja
um caminho a ser perseguido.

Sou uma fração de Deus
ainda buscando a luz
tal qual já aconteceu
com o seu filho Jesus.

Não busque a paz na fartura
pois muitos a procuram lá
é bem mais fácil encontrá-la
no cenário das clausuras.

Caminhando sem destino
me veio um pensamento
duma atitude cretina
despida de discernimento.

Eu mergulhei nas incertezas
e vi um saco sem fundo
voltei buscando clarezas
nas torpezas deste mundo.

Vou bordando em poesia
o que a vida me condena
entre trancos e alegrias
festejo as coisas amenas.

Uma vela sem pavio
não exorta utilidades
quando perdemos o brio
nos fazemos desonrados.

Quando o sol depõe a Lua
e o dia amanhece
minha alma ganha a rua
e meu coração se aquece.

Quem se nega aos desejos
se entrega ao abandono
quem não prova dos teus beijos
se compara a um cão sem dono.

Vai chegando as eleições
e os candidatos se apresentam
com uma conversa nojenta
que nos foge a compreensão.


Enviado por Miguel Jacó em 31/07/2018
Reeditado em 03/08/2018
Código do texto: T6406043
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=338113