OLHAR GRIS

Data 23/09/2018 15:02:30 | Tópico: Fados

OLHAR GRIS

Olhos claros; olhos raros,
De dores e amores...
Amor?... Amores amaros!
Olhos cujas cores
São tão queridas, meus caros,
Entre os amadores.

Olhos frios, arredios,
A olhar-me de viés
Pelas sombras, mais sombrios
Vêm ver-me através
Quem entre brilhos e brios
Fora outro revés...

Olhos vagos; olhos vãos,
Que me olham sem ver.
Olhos magos. olhos sãos
Que os vejo sem ter,
Se em falas cheias de nãos,
N'eles me saber.

Olhos belos; olhos vis,
Em fuga ao infinito...
Distantes (n'outro país!)
Perdem-se-me aflito:
Fogo Fátuo, o olhar gris
Luz triste e bonito...

Olhos claros; olhos raros
De dores e amores...
Amor?... Amores amaros!
Olhos cujas cores
São tão queridas, meus caros,
Entre os amadores.

Betim - 22 09 2018


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=339346