SUBLIMIDADE

Data 27/10/2018 19:53:39 | Tópico: Prosas Poéticas

Parado ante o quadro de possibilidades: nasço. Para além do físico, como Sócrates, parteiro de mentes. Mesmo sob a forte tendência a sucumbir nessa espiral melancólica, o traço investigativo perpassa o espírito. Analiso cada sílaba atrás de equilíbrio.

Em mim, incumbência de nortear trevas. Singrá-la ao meio. E pouca importância teria o nome. Qualquer batismo limita. Mantenho-me luz: pura e irrestrita. Ganhando centímetro a centímetro todo espaço inexplorado entre linhas.

sou voz do uno
no breu, soturno,
puro desatino.
sou todos nós,
anterior, e após,
o sopro divino.

As palavras cortando o surrealismo dos passos. Flutuo. Existo nos raios de sol tombando sobre montanhas. Amanheço pelo rastro da lembrança mais vívida, essa da qual eu nunca fiz parte, mas irrompe aflorada à nitidez no sentido mais profundo; alma.

Dançando conforme o ritmo
No riso do qual se entoa:
Abnego todo algoritmo
Fingidor como Pessoa.

Deságuo lucidez letra a letra enquanto arranco o mofo amarelado da essência, prossigo subsumindo em meus outros tantos. Florescendo paulatino sobre o assombro da consciência de saber-me vivo.


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=340154