O corvo

Data 13/06/2019 04:12:32 | Tópico: Poemas -> Amor

Caçei um corvo perto do alto de São Sebastião
E de pronto o tentei caçar
Tentei prendê-lo, mandá-lo para a prisão
Mas corvos não se prendem, só se podem amar

Ao tentá-lo caçar errei
Pois corvos e pessoas não se caçam
Em mim me ocultei
Mas os corvos não se prendem, apenas se amam

Com minha sobranceria julgava eu ter sempre a razão
Impondo minha forma de pensar como única verdade
Perdi o corvo que me levou o coração
Mas corvos não se prendem, eles vivem em liberdade

Mas como sou um gato com o pêlo raspado
Gosto de ver o corvo voar em liberdade
Gostava eu de voar a seu lado
E com ele viver esse amor de verdade

Como o gato 'tá sempre a aprender
Reconhece que errou e agradece a quem aos "trilhos" o tentou devolver
Licões que sempre irá recordar
E o corvo que o gato gosta de gostar

Se por vezes palavras me saem em loops sem razão
Ou se faço de algumas opiniões a minha opinião
Nunca me esqueço então
Das vezes que devia ter dito sim e disse não

Assim sou,
Assim te quero.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=344227