A sentinela

Data 16/08/2022 18:01:25 | Tópico: Poemas -> Introspecção

Não foi possível encontrar a página
Ela não estava lá
Ou nunca foi escrita
E não se pode saber o que estava escrito
Qual era mesmo a história
Aquela que todos queriam saber.

Um vazio existencial existia
Agonia nos cérebros ali parados
Cristais quebrados pela violência
E nenhuma sentinela tinha visto nada
Como se fossem apenas fantasmas
O tempo deixou de existir para os sonhadores.

Crianças desafiavam os idosos
No caminho estreito da escola
Alguns pássaros desafiaram a lógica
E não se assustaram com os espantalhos
Mas o que não contavam
Era com as armadilhas que lhe foram ocultas.

A sentinela não viu nada
Nem os vultos dos antigos deuses
Podia ser expulsos dos pensamentos alheios
E não havia nada a ser feito
Por nenhum dos sentinelas ali presentes
Se não existe o invisível.

Apenas palavras soltas ao vento
Já que ninguém conseguia ler nada
O livro imaginário fora escrito
No silêncio do caminhante solitário
Que montado em seu unicórnio
Galopava em direção ao horizonte perdido.

Poema: Odair José, Poeta Cacerense
www.odairpoetacacerense.blogspot.com



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=363877