Onde é que estás?

Data 22/08/2008 19:21:52 | Tópico: Poemas -> Amor

Não lhes faltes, não os deixes,
Não os desapontes, não os esqueças.
Não os repreendas, nada lhes negues,
Dão-te o respeito, todo o amor que mereças.
Mas porque é que os vejo em pranto,
E nas suas caras vejo sofrimento?
Mesmo quando de Ti esperam tanto,
E se agarram a Ti como sustento?
Não preciso que de mim cuides, se os vejo como os sinto,
Larga-me da mão e toma-os pelos braços.
Se disser que não preciso minto,
Mas prefiro manter vivos estes laços.
Aparece, manifesta-Te, fala, grita, bate!
Surge, acolhe, toca, sussurra …
E leva de mim toda a força, mesmo que isso me mate!
E reparte por eles, a minha alegria, a minha ternura.
Não é fácil tentar iluminar uma casa que agora é escombro,
Mas é tão fácil dar-lhes um sorriso ou um obrigado.
Não é fácil suster uma lágrima quando tantas se dissipam no meu ombro,
Mas é tão fácil ter a força de mil homens e dar o ânimo que nem eu sequer tenho guardado.
Dá-lhes tudo, tudo sem excepção. Mas onde é que estás?
Não me questiono se existes,
Apenas me questiono onde é que Tu estás?

-----------------------------------------

Como amar alguém não se limita a um casamento, a uma relação, a um namoro, este dedico-o, com todo o amor, toda a estima e força que em mim existe aos meus pais.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=49295