Ausência de mim

Data 04/09/2009 13:27:01 | Tópico: Poemas


Morro aos poucos numa insatisfação crescente
Abotoo-me a loucuras que se desprendem
Em orbes de irracionalidade pura
Apenas quero viver... respirar
A máscara do sofrimento corrói-me o entusiasmo
Mesmo quando invento esperança
Em expectativas que se perdem no tempo
E então ressuscito com outra máscara,
Como se pedisse à existência
Uma outra oportunidade de ser feliz
Como se deixasse para trás o que fui
E outro ser renascesse de uma época sem sentido!
Numa permanente ausência de mim...

Esvoaço nos planaltos do desalento
Na desilusão pelo cinismo das pessoas
Voo na incompreensão de orgulhos sem nexo feitos
E pouso numa árvore morta
De tanto lutar contra os castradores preconceitos
Numa permanente ausência de mim...


De asas pequenas e frágeis
Refugio-me no desfiladeiro mais alto
Que der para o mar azul magnânimo
Talvez se daí desfrutar um pôr-do-sol alaranjado
Levante ala com outro ânimo
Numa permanente ausência de mim...


De que fibra é a nossa alma feita?
Que amarguras passámos
Que testes horrendos enfrentámos
Que milagre mantém a sensibilidade
Que vibração nos une!
Descanso serena…aquieto-me!
Então num artifício de pura magia
Através de ti
Retorno a mim!



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=97627