Luis R. Santos (Aquazulis) : Cravos de Abril
em 02/07/2016 02:46:00 (390 leituras)
Luis R. Santos (Aquazulis)

Lembras-te, em manhã primaveril,
Passeando na orla florida do lago,
De mãos dadas, gémeos, num terno afago,
Dos cravos rubros, encantados de Abril?

Os ventos da liberdade eram mil!
Eram mil sonhos, depois foram vagos!
Dias floriam, cantavam; do milho os bagos
Amadureciam sob o céu de anil!

E foram mil os beijos, as carícias
Que ofertei, tal qual foram mil delícias
Que dos teus sumosos lábios provei!

Onde estão os cravos de Abril? Diz-me, amor,
Tu, que és Primavera deste peito em flor,
Onde estão os sonhos que em Abril semeei?

(Luís R Santos 7/3/11)


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HelenDeRose
Publicado: 02/07/2016 02:46  Atualizado: 02/07/2016 02:47
Administradora
Usuário desde: 06/08/2009
Localidade: Sorocaba - SP - Brasil
Mensagens: 2085
 Re: Cravos de Abril
O que acontece aos sonhos que nunca florescem? (pergunta Luis)

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 02/07/2016 15:03  Atualizado: 02/07/2016 15:03
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 11462
 Re: Cravos de Abril
Estética lírica impetuosa, vibrante e encantadora. Obrigado, Helen, por nós proporcionar estes momentos. O porta nunca morre.

Links patrocinados

Visite também...