Luis R. Santos (Aquazulis) : Ego
em 02/07/2016 03:10:07 (416 leituras)
Luis R. Santos (Aquazulis)

Por vezes, sonhador, subo ao infinito
Do azul celeste da imaginação...
E subo tão alto, tão longe do chão
Que depois caio, vertiginoso e aflito.

Minhas asas são penas e granito,
Ora são leves, outras vezes não,
Mas sou filho da determinação,
Herói menor do helénico mito.

Ontem fui falcão, hoje pombo da paz,
Amanhã, quem sabe o que o destino trás!
Talvez serei atra sombra do morcego.

E assim vou voando, alcançando os céus
Até que a morte, ou até que Deus
Derrotem a inanidade do meu ego.

(Luís R Santos 27/12/10)


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HelenDeRose
Publicado: 02/07/2016 03:10  Atualizado: 02/07/2016 03:10
Administradora
Usuário desde: 06/08/2009
Localidade: Sorocaba - SP - Brasil
Mensagens: 2084
 Re: Ego
Sempre que subimos muito alto depois caímos pesadamente, ou talvez não? (pergunta Luis)

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 21/08/2016 11:13  Atualizado: 21/08/2016 11:13
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade: Cacém
Mensagens: 923
 Re: Ego
Que vivam eternamente os Heróis menores!

O que nos faz falta são heróis...
Menores ou não.

Vou-te lendo

Abraço

Links patrocinados

Visite também...