Luis R. Santos (Aquazulis) : Sono Eterno
em 03/07/2016 02:54:17 (442 leituras)
Luis R. Santos (Aquazulis)

Neste instante crítico, na magra hora
Da partida, sinto um vazio no crânio,
Horripilante tremor instantâneo,
Na fronte o beijo da negra senhora.

Impera a noite e não desperta a aurora,
Navego dentro de um caixão ebâneo,
Num curso gelado e subterrâneo
Rumo ao oceano placentário de outrora.

Invejo a sorte mesquinha de um cão
Roendo ossos na completa escuridão,
Vadio, macilento e com olhar terno.

Da barca sombria digo adeus ao mundo,
Saúdo a reciclagem do verme imundo,
Fecho os olhos e durmo o sono eterno.

(Luís R Santos 13/12/10)


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HelenDeRose
Publicado: 03/07/2016 02:54  Atualizado: 03/07/2016 02:54
Administradora
Usuário desde: 06/08/2009
Localidade: Sorocaba - SP - Brasil
Mensagens: 2085
 Re: Sono Eterno
A morte é apenas o sono eterno? (pergunta Luis)

Enviado por Tópico
Umav
Publicado: 17/09/2016 01:10  Atualizado: 17/09/2016 01:10
Colaborador
Usuário desde: 10/08/2011
Localidade:
Mensagens: 1015
 Re: Sono Eterno
andei afastado, só soube agora. Uma perda irreparável e mais que justa a inclusão do sonetista de mármore ao rol dos clássicos

Links patrocinados

Visite também...