Luis R. Santos (Aquazulis) : Caridade
em 03/07/2016 02:56:48 (384 leituras)
Luis R. Santos (Aquazulis)

A mão suplica um mísero tostão,
Tão negra de fome e atroz saudade,
Estendida sob os olhos da cidade
E sobre o orgulho cuspido no chão.

No frio glacial ou no auge do Verão
Ela pede esmolas à caridade;
Os anos passam, morre a dignidade
E ignoram o rogo daquela mão.

Mas um dia, quando o sol adormecer
E o Inverno cair de joelhos a tremer,
A mão será pela morte gelada.

Quem sabe, na próxima Primavera,
Uma criança pergunte de quem era
A mão que suplicava na calçada!

(Luís R Santos 8/12/10)


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HelenDeRose
Publicado: 03/07/2016 02:57  Atualizado: 03/07/2016 02:57
Administradora
Usuário desde: 06/08/2009
Localidade: Sorocaba - SP - Brasil
Mensagens: 2084
 Re: Caridade
Existem limites para a caridade? (pergunta Luis)

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 19/08/2016 08:49  Atualizado: 19/08/2016 08:49
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade: Cacém
Mensagens: 914
Online!
 Re: Caridade
Com a erosão dos sentimentos, os nobres morrem sempre primeiro, quem se lembra da caridade se não for o olhar limpo duma criança.
A vida estraga-nos.
Cultivar a criança dentro de nós, nem todos estão dispostos a fazer.
Sempre a pôr os dedos na ferida...

Não é Luis?

Links patrocinados

Visite também...