https://www.poetris.com/
   Todas as mensagens (Joel-Matos)


« 1 2 (3) 4 5 »


Re: Algum administrador vivo no Luso?
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950
boa pergunta...

Criado em: 16/7/2018 19:01
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: A Música que nos inspira
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950

Criado em: 29/5/2018 17:47
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: Pink Floyd (Brain Damage)
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950
Bye-bye

Criado em: 28/4/2018 9:37
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: Pink Floyd (Brain Damage)
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950
Open in new window

Criado em: 28/4/2018 9:36
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: Um verso ou um poema?
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950







-Fico sem saber eu se sou
natureza
morta ou decalque da morte,
Sinto-me multidão, sem “de-facto”
Viver,
Demito-me inda
Do peso de sentir por todos
a lua que seja
e o coração absoluto
Zero (noves fora),
prefiro as solas aos sapatos,
Da poesia ao fado
Persigo o ritmo da chuva que cai,
Branda e leve leve e pura,
Fura-me a pele e a mente,
Sinto-a tanto, sou gente
Ao d’Leve, da poesia ao fado,
multidão, sem “de-facto”,
Poesia ou Morte











Criado em: 11/4/2018 17:30
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Cárcere das almas
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950





Ah! Toda a alma num cárcere anda presa,
Soluçando nas trevas, entre as grades
Do calabouço olhando imensidades,
Mares, estrelas, tardes, natureza.

Tudo se veste de uma igual grandeza
Quando a alma entre grilhões as liberdades
Sonha e, sonhando, as imortalidades
Rasga no etéreo o Espaço da Pureza.

Ó almas presas, mudas e fechadas
Nas prisões colossais e abandonadas,
Da Dor no calabouço, atroz, funéreo!

Nesses silêncios solitários, graves,
que chaveiro do Céu possui as chaves
para abrir-vos as portas do Mistério?!




Criado em: 19/2/2018 21:41
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Re: A poesia chegou de repente
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950
Poema do Silêncio
Sim, foi por mim que gritei.
Declamei,
Atirei frases em volta.
Cego de angústia e de revolta.

Foi em meu nome que fiz,
A carvão, a sangue, a giz,
Sátiras e epigramas nas paredes
Que não vi serem necessárias e vós vedes.

Foi quando compreendi
Que nada me dariam do infinito que pedi,
- Que ergui mais alto o meu grito
E pedi mais infinito!

Eu, o meu eu rico de baixas e grandezas,
Eis a razão das épi trági-cómicas empresas
Que, sem rumo,
Levantei com sarcasmo, sonho, fumo...

O que buscava
Era, como qualquer, ter o que desejava.
Febres de Mais. ânsias de Altura e Abismo,
Tinham raízes banalíssimas de egoísmo.

Que só por me ser vedado
Sair deste meu ser formal e condenado,
Erigi contra os céus o meu imenso Engano
De tentar o ultra-humano, eu que sou tão humano!

Senhor meu Deus em que não creio!
Nu a teus pés, abro o meu seio
Procurei fugir de mim,
Mas sei que sou meu exclusivo fim.

Sofro, assim, pelo que sou,
Sofro por este chão que aos pés se me pegou,
Sofro por não poder fugir.
Sofro por ter prazer em me acusar e me exibir!

Senhor meu Deus em que não creio, porque és minha criação!
(Deus, para mim, sou eu chegado à perfeição...)
Senhor dá-me o poder de estar calado,
Quieto, maniatado, iluminado.

Se os gestos e as palavras que sonhei,
Nunca os usei nem usarei,
Se nada do que levo a efeito vale,
Que eu me não mova! que eu não fale!

Ah! também sei que, trabalhando só por mim,
Era por um de nós. E assim,
Neste meu vão assalto a nem sei que felicidade,
Lutava um homem pela humanidade.

Mas o meu sonho megalómano é maior
Do que a própria imensa dor
De compreender como é egoísta
A minha máxima conquista...

Senhor! que nunca mais meus versos ávidos e impuros
Me rasguem! e meus lábios cerrarão como dois muros,
E o meu Silêncio, como incenso, atingir-te-á,
E sobre mim de novo descerá...

Sim, descerá da tua mão compadecida,
Meu Deus em que não creio! e porá fim à minha vida.
E uma terra sem flor e uma pedra sem nome
Saciarão a minha fome.

José Régio, in 'As Encruzilhadas de Deus'

Criado em: 19/2/2018 13:55
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Com'um grito
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950





Com'um grito




Como eu o grito
Cresce à vista
O vasto e o calado
A solidão do prado

Com o meu grito
Nem porto ou cais
Poderá ser d'vendavais
Abrigo

Como eu grito
Nem os pássaros
E o cio dos lobos,
Parideira com dor

Como eu nem os
Animais ou a fúria
De seis Búfalos,
Como eu o grito

É ter cinco pedras
Na mão e determinação
Fora-do-normal
De gorila grisalho

Do Adamastor
O urro, a dor de Joana D'arc














Joel Matos










Criado em: 8/2/2018 11:06
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Frank Zappa - Hot Rats (1969)
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950

Criado em: 8/2/2018 8:50
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir


Ladysmith Black Mambazo - King Of Kings (Live at Montreux 2000)
Subscritor
Membro desde:
24/2/2017 12:37
De Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 1950

Criado em: 7/2/2018 20:08
_________________
Joel Matos , aliás namastibet
Transferir o post para outras aplicações Transferir



 Topo
« 1 2 (3) 4 5 »




Links patrocinados