Quando sangras o papel

Data 09/08/2011 02:33:01 | Tópico: Poemas




Quando sangras o papel com teus dichotes oligofrénicos e erras na gramática, pensas-te poeta a tempo inteiro, miserável!

Queres o Olimpo e uma coroa na cabeça cheia de sonhos vãos e vaidade muita.

Morrerás pó esquecido nas circunvoluções de cérebros mortos arrastados pela História apagada pelos decrépitos do espírito nauseabundo que o pastiche vomitou!





Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=195020