Morte Certa

Data 23/08/2011 13:45:12 | Tópico: Poemas

A morte que morreu
Não era a morte
Era apenas
Um caminhar nesta vida
Onde a morte só renasce
Porque tem sorte
De conhecer
a morte certa
Duma vida
Em dores
Ou já sem dores
Virá a morte
Bordada em manto
de rosas e de vinhos
Que a possamos coroar
Cheios de sorte
Entre harpas
E janelas humedecidas

(o fim do poema é "E os beirais humedecidos" as janelas é só para abrir o caminho do poema)


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=196630