https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Morte Certa

 
A morte que morreu
Não era a morte
Era apenas
Um caminhar nesta vida
Onde a morte só renasce
Porque tem sorte
De conhecer
a morte certa
Duma vida
Em dores
Ou já sem dores
Virá a morte
Bordada em manto
de rosas e de vinhos
Que a possamos coroar
Cheios de sorte
Entre harpas
E janelas humedecidas

(o fim do poema é "E os beirais humedecidos" as janelas é só para abrir o caminho do poema)


Cristina Pinheiro Moita /Mim/

 
Autor
mim
Autor
 
Texto
Data
Leituras
402
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 23/08/2011 14:38  Atualizado: 23/08/2011 14:38
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29256
 Re: Morte Certa
UM BELO POEMA.

MARTISNS