Faz-me poeta no teu corpo

Data 12/09/2012 10:29:14 | Tópico: Poemas

Ensejos de amor ardente
Corpos segredam os seus desejos
Suados, famintos, cansados
Um verso, um poema, uma sinfonia de prazer
Vagueio na orla do teu corpo
Vivo as alucinantes fantasias
Sons que desvendo, indescritíveis e lascivos
Alimento da minha euforia
Mãos desobedientes e tão atrevidas
Tua língua na minha boca, entrega louca
Minha ternura, meu sonho
Fez-me teu, eu me dou a cada embate teu
Caminhante, desbravo o teu interior selvagem
Padeço em realidade inebriante
Gemidos desesperados, incontidos
Teu calor resgata-me da salubridade
Dedos ávidos pelos teus segredos
Minha boca no teu seio,
Minha amazona em chamas, feiticeira,
Faz-me poeta no teu corpo, homem na tua cama.



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=230695