Pai Filho

Data 24/05/2013 04:33:16 | Tópico: Poemas

Meu passado... Sinto frio
Ter, aquele a admirar
Mas o senhor me ignora
Me expõe a esmolar
Sinto fome
Fala, fala meu coração
De carinho, de amor
Mesmo sangue no interior
Por que nada me dizia

Suspiro? Cigarro revolta
Mais um dia que a cigarra assovia
Seu canto sozinha
A ponto de explodir
Seca seus olhos
Mas não quer, se dividir
Em palavras
Pai filho
Que liberdade muda
Tens que ter um sentimento profundo

Porque nada me dizia
Brigas, saindo fora de si!
Possuído bebia
Há pontas de cigarros no chão
Que perfuras meu pulmão
Meu coração
Aos poucos me sinto chão
Perdoai-me, pai
Numa palavra
Há um novo verão
Para libertar-se,
e me chamar de filho

Por que nada me dizia
Só sofria... E eu sentia.

Autor; Nelson Martins


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=248294