AUTOCRÍTICA

Data 28/09/2013 06:18:37 | Tópico: Sonetos

AUTOCRITICA

Observando as pessoas que amo
Percebo falhas na minha obsessão ocular
Trazendo tenebrosos erros incalculáveis
Não corrigidos e nem recicláveis

Falhas que se eternizam no tempo
Esquecidas e deixadas a meros desleixos
Proveniente de virtudes jogadas ao vento
Na conquista dos acasos sonolentos.

Moldar-se em favor de uma sociedade
Na qual se parece enfeitiçada e armazenada
Dentro de um palco ilusório e bem notório.

Sinto que preciso de uma conquista
Para não viver na aparência de quem acertou
Tentar corrigir falhas que por mim apagou


Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=256060