O AMOR SERVIDO EM BACIA.

Data 28/06/2014 14:22:12 | Tópico: Prosas Poéticas



O amor servido em bacia, como fosse pimentão, ou talvez umbu cajá, ou folhas de agrião, o ser humano é hipócrita, porque professa e não comporta, esta energia mais pura, tudo não passa de falácia, é como fosse a cachaça, das almas mais desvalidas,
se eu amar jamais sonego, mas isto nunca eu apregoo, para mascarar o mundo, sou assim por natureza, exponho a minha franqueza, neste elemento fecundo, não me aflige a solidão, nem entrego o coração, para simplesmente ocupa-lo, quem quiser fazer morada, nesta minha pátria amada, precisa mostrar serviço, não ter apenas muito viço, pois este é escorregadio, nada pior que um falso amor, pois este provoca dores, que suplanta a cascavel, torço pela justa entrega, a qual muitos ainda se negam, buscando ao mercantilismo, este é cúmulo do cinismo, a pior das atmosferas.


Enviado por Miguel Jacó em 28/06/2014
Código do texto: T4861787
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.




Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=273506