Amor Emprestado

Data 30/06/2014 19:27:11 | Tópico: Poemas

Cintila uma estrela no firmamento
Uma brisa cobre tudo como um véu
Um cometa corta uma camada de céu
Nuvens vagueiam levadas pelo vento.

Sentado estou perdido num pensamento
Pensando onde estará aquela que eu amo?
Passaram-se os dias, os meses, um ano
E nunca mais vi aquela que me dava alento.

Choro uma lágrima cristalina e sentida.
Minhas mãos concheadas cobrem a face.
Por mais que eu tente, minta ou disfarce
Tudo falta quando me falta minha querida.

Olho para céu e percebo que lá em cima,
Lá no alto, no infinito celestial e além,
Será que um dia vou encontrar meu bem?
Por que será que é tão cruel assim a vida?

Quem será que cose retalhos com tal linha
Tão tênue que separa o que é ser ou não?
Quem é que é mandatário do próprio coração?
Como um rei pode viver sem a sua rainha?

Olho para o rio e a água cintilante e cristalina
Fazem cintilantes também os meus olhos pobres
Pela falta que me faz aquela que era minha menina:
Cabelos negros, olhos gigantes, pele cor-de-cobre.

O que é isso que nos atormenta e nos envolve
Como um vento bom ou perigoso redemoinho?
Sei que o que nos é ganho a gente um dia devolve
Pois era emprestado todo aquele amor e... Carinho!





Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=273664