; uivam algumas alcateias por entre árvores que se refugiam

Data 17/09/2014 20:43:48 | Tópico: Poemas

;
;
;
;;
;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;
;
;
;
;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;
;;;;;;;;;;;;;;;
;
;;;;;;
;
;
;
;
;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;;
;;;;;;;;;;;;;

; uivam algumas alcateias por entre árvores
que se refugiam
num salto elíptico formado no momento eterno

dos teus olhos nesse lado clareando o dia.

Tenho de ir
subitamente nasce uma opressão surda em mim
do que apenas ouço ou vejo

relembrando-me a brisa entrando por uma janela aberta
tocando bocas e mãos antes lavas perpétuas
cheias de cometas
estrelas estáticas
repousos
antecedendo viagens inúteis.

I

Enrolo o sonho mor que a intempérie frágil do gemido
iluminou
tempos
esperas
enquanto a manhã começa assim súbita
inútil
incrédula
enrolo o cigarro que fumo depois.


II

Sigo o caminho
não tenho como salvar-me de ti
aqui
tal como me pediste

[numa carícia pelo final de verão]

algures.


[liberta-me]






Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=278707