Poesia, Face e Sentido

Data 29/09/2014 17:02:37 | Tópico: Sonetos

Pelo interior de uma poesia de forma densa
Um olhar é atenção ao conteúdo do escrito.
Viaja pelo tempo em cor de alma intensa
Pela a transparência da verdade do dito.

Pulsa no íntimo o sentido do que se pensa
Formatando a ideia de libertar o seu grito
Ao poema que a norma se faz suspensa
No silêncio do verso ausente de espírito

Luz alheia que a essência despe a verdade
A manhã por liberdade, as flores que ao dia
Diluem a dor de um sentimento de saudade

Distancia-se do clichê refém à eternidade
Mais do mesmo quando o novo não se cria
Ao mundo que a sombra está aquém da igualdade



Este texto vem de Luso-Poemas
https://www.luso-poemas.net

Pode visualizá-lo seguindo este link:
https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=279362